Alta dos juros é consistente com meta de inflação, diz analista de banco

O economista-chefe do ABN Real Amro Bank, Mário Mesquita, disse, nesta segunda-feira à tarde, que a decisão adotada nesta segunda pelo Comitê de Política Monetária (Copom), de elevar em 3 pontos porcentuais a taxa de juros, de 18% ao ano para 21%, visa combater em primeiro plano os efeitos secundários do dólar sobre os preços e não propriamente a derrubada da taxa de câmbio."Neste caso, é uma medida consistente com a política adotada nos últimos anos, depois da flutuação do câmbio", diz Mesquita. De acordo com o economista, a medida reforça a idéia de que a política monetária não é mais usada para administrar fluxo de capital, o que não justificaria uma "pancada" na taxa de juros.Para o chefe dos economistas do ABN Amro, com a recente aceleração da inflação ocorreu uma erosão da Selic real, que pode ser corrigida com a medida adotada nesta segunda. A elevação dos juros agora, afirma Mesquita, acaba sendo uma complementação das medidas adotadas na semana passada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.