Alta em preço dos alimentos impulsiona IPC-S

A aceleração nos preços dos alimentos (0,42% para 0,62%) impulsionou a taxa maior do Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) que saltou de 0,38% para 0,43% entre a segunda e a terceira quadrissemana de novembro. Nesta classe de despesa, a inflação das carnes bovinas tornou-se mais intensa (de 1,49% para 2,25%) no período.

ALESSANDRA SARAIVA, Agencia Estado

23 de novembro de 2011 | 08h16

Mais três grupos apresentaram aceleração de preços ou deflação mais fraca. É o caso de Transportes (de -0,09% para -0,03%), Vestuário (de 0,64% para 0,71%) e Despesas Diversas (de 0,11% para 0,18%).

Em contrapartida, houve desaceleração de preços em Habitação (de 0,51% para 0,46%), Educação, Leitura e Recreação (de 0,47% para 0,38%) e Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,41% para 0,37%).

Entre os produtos pesquisados, as mais expressivas altas de preço no IPC-S de até 22 de novembro foram apuradas em tomate (16,28%); batata-inglesa (13,72%); e tarifa de eletricidade residencial (1,03%). Já as mais significativas quedas de preço foram registradas em leite tipo longa vida (-3,56%); pimentão (-20,43%); e alho (-10,57%).

Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãoIPC-SFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.