bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Alta no número de desempregados em janeiro é recorde em SP

Taxa de desemprego na região metropolitana subiu para 12,5%, ante 11,8%; foram eliminados 137 mil postos

Anne Warth, da Agência Estado,

26 de fevereiro de 2009 | 09h50

A taxa de desemprego na região metropolitana de São Paulo subiu para 12,5% em janeiro deste ano, segundo dados divulgados nesta quinta-feira, 26, pela Fundação Seade - Sistema Estadual de Análise de Dados - e pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Em dezembro, o desemprego estava em 11,8%, e em janeiro do ano passado, em 13,6%.   Na avaliação dos pesquisadores, embora o aumento do desemprego seja um comportamento esperado para o mês de janeiro, o crescimento verificado neste ano, de 5,9% foi um dos maiores da série para meses de janeiro. Para se ter uma ideia, comportamento semelhante só foi verificado em janeiro de 1992, quando o desemprego subiu 7,6% ante dezembro de 1991, e em janeiro de 1991, quando o indicador teve alta de 5,3% ante dezembro de 1990.   Veja também: Janeiro tem 1ª perda de vagas formais em 10 anos São Paulo lidera fechamento de postos de trabalho, diz ministro Entenda o Fundo de Amparo ao Trabalhador Falta dinheiro no FAT para ampliar seguro-desemprego As medidas do emprego De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise   O contingente de desempregados na região metropolitana de São Paulo foi estimado em 1,305 milhão de pessoas, 65 mil a mais que em dezembro. Este acréscimo de 65 mil desempregados foi o maior para meses de janeiro desde o início da série histórica da pesquisa, em 1985. Foram eliminados 137 mil postos de trabalho, números só comparáveis aos verificados em janeiro de 1992, quando 138 mil vagas foram fechadas e em janeiro de 1991, quando 134 mil empregos foram perdidos.   Apesar disso, a taxa de desemprego de janeiro deste ano é a menor desde janeiro de 1996, quando estava em 13,1%, segundo a Fundação Seade e o Dieese. Para efeito de comparação, em janeiro de 1995, o desemprego na RMSP, estava em 12,1%.   O rendimento médio real dos ocupados aumentou 1,5% em dezembro ante novembro e passou a equivaler a R$ 1.211,00. O rendimento subiu 0,4% ante dezembro de 2007. O nível de ocupação na RMSP caiu 1,5% ante dezembro e subiu 2,8% ante janeiro de 2008. O contingente de ocupados foi estimado em 9,132 milhões de pessoas, 137 mil a menos que em dezembro. A massa de rendimento dos ocupados, indicador que combina nível de ocupação e rendimento, subiu 2,1% em dezembro ante novembro e 3,9% ante dezembro de 2007.   Seis regiões metropolitanas   A taxa de desemprego no conjunto das seis regiões metropolitana pesquisadas pela Fundação Seade e pelo Dieese aumentou pra 13,1% em janeiro. O desemprego estava em 12,7% em dezembro e em 14,2% em janeiro de 2008. O contingente de desempregados nas regiões metropolitana de Belo Horizonte (MG), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Salvador (BA), São Paulo (SP) e Distrito Federal (DF) foi estimado em 2,620 milhões de pessoas, 75 mil a mais que em dezembro.   Embora o aumento do desemprego seja um comportamento normal para meses de janeiro, a magnitude do crescimento surpreendeu as entidades. Ainda assim, a taxa de 13,1% é a menor para meses de janeiro desde o início da série histórica, iniciada em 1998.   O nível de ocupação diminuiu 1,3% em janeiro ante dezembro, mas aumentou 2,6% ante janeiro de 2008. O total de ocupados nas seis regiões pesquisadas foi estimado em 17,336 milhões de pessoas, com a eliminação de 221 mil postos de trabalho e a saída de 145 mil pessoas do mercado de trabalho.   O rendimento médio real dos ocupados aumentou 1,1% em dezembro ante novembro e passou a equivaler R$ 1.182. O rendimento subiu 2,9% ante dezembro de 2007, a massa de rendimento dos ocupados, indicador que combina nível de ocupação e rendimento aumentou 1,3% em dezembro ante novembro e 6,9% ante dezembro de 2007.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.