Alta pode render R$ 600 milhões ao caixa da Petrobras

O aumento dos combustíveis proporcionará à Petrobras, com base nos volumes vendidos em dezembro, um aporte de R$ 600 milhões no caixa a partir deste mês, de acordo com os cálculos feitos para o Estado pelo Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIA).

SERGIO TORRES, Agencia Estado

15 de janeiro de 2013 | 08h34

Especialista em energia, o presidente da instituição, Adriano Pires, afirma que, mesmo mantida parte da defasagem entre os preços internacionais dos combustíveis e os cobrados no Brasil, a notícia é boa para a Petrobrás.

A se confirmarem os reajustes de 7% para a gasolina e de 4% a 5% para o diesel, Pires vislumbra o seguinte panorama: a atual defasagem da gasolina, de 15,9% em relação ao preço que deveria ser cobrado internamente, cairá pela metade. Já quanto ao diesel, o impacto será "pouquíssimo", pois a defasagem é ainda maior, de 23%.

De acordo com os cálculos do CBIA, os R$ 600 milhões a serem acrescentados ao caixa da petroleira representam a soma de R$ 250 milhões obtidos com a venda de gasolina e de R$ 350 milhões com a de diesel, mais a redução dos volumes importados dos produtos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
combustíveisreajustePetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.