Aluguel de escritório em SP caiu pela 1ª vez em quase dez anos

Preço pedido caiu 14,5% em 2013 e vacância subiu para 17,2%, aponta pesquisa da consultoria Cushman & Wakefield

MÁRCIA DE CHIARA, O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2014 | 02h08

Pela primeira vez em quase dez anos, o preço médio pedido do aluguel de escritório de alto padrão na cidade de São Paulo encerrou 2013 em queda e influenciou a média das oito capitais pesquisadas no País, numa clara indicação de que o mercado imobiliário de locação comercial passa por um ajuste.

"O preço chegou no limite e dificilmente vamos ter reajustes nos preços pedidos dos aluguéis de grandes lajes corporativas de alto padrão acima da inflação, como ocorria nos últimos anos", afirma Fernanda Rosalem, diretora de Capital Markets da consultoria imobiliária Cushman & Wakefield.

Pesquisa feita pela consultoria mostra que o preço médio pedido na cidade de São Paulo encerrou 2013 em R$ 125,20 por m², com recuo de 14,5% na comparação com o ano anterior. Por sua vez, a taxa de escritórios vagos aumentou de 14,6% no final de 2012 para 17,2% em dezembro de 2013.

Movimento semelhante ocorreu na média das oito capitais pesquisadas: o preço do aluguel pedido ficou em R$ 108,40 por m², com recuo de 12,3% em relação ao ano anterior. Foi a primeira queda registrada em cinco anos no preço médio nacional do aluguel pedido. Também a taxa de vacância nas oito captais pesquisadas subiu, de 13,2% em 2012 para 17,8% em 2013.

Na análise de Fernanda, a queda dos preços dos aluguéis pedidos e o aumento do número de imóveis vazios refletem uma combinação de fatores. Um deles é o maior volume de empreendimentos novos entregues no mercado.

Só na cidade de São Paulo, foram ofertados no mercado no ano passado419 mil m² de escritórios para locação. "É uma marca recorde, duas vezes a média ofertada nos últimos cinco anos. É uma Vila Olímpia inteira", compara Fernanda.

A executiva explica que São Paulo tem peso grande no índice nacional e que a maior oferta de escritórios na cidade foi resultado de projetos traçados no período em que a economia estava acelerada. Ocorre que os empreendimentos foram entregues só agora, quando ritmo de atividade esfriou.

Um dado curioso da pesquisa é o preço máximo mensal de locação dos escritórios localizados na avenida Paulista se equiparou ao da avenida Faria Lima (R$ 200 por m²), o endereço mais cobiçado da cidade. Segundo Fernanda, esse resultado reflete um novo empreendimento ofertado na Paulista, a escassez de escritórios de alto padrão na região e a recente valorização dos imóveis comerciais nesse corredor financeiro, com a chegada de grandes varejistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.