bolha

Paulo Bilyk: "Quem está comprado em 4 ou 5 ações corre risco grande de perder tudo"

Amabilidades entre as partes

O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2014 | 03h12

Apesar das acusações pesadas e dos desacordos, Maurício Vecchi e a família Bertin mantêm uma curiosa amabilidade mútua. A amigos, Vecchi elogia especialmente Fernando, com quem trabalhou diretamente por anos. A família, por sua vez, não move nenhum processo criminal, apesar de dizer que é tudo mentira, porque "acha que Maurício está descompensado ou mal assessorado", diz Wendel Caleffi, diretor financeiro do grupo. Procurado pelo 'Estado', o funcionário respondeu por meio de seus advogados. "Não há interesse do meu cliente em dar visibilidade ao processo, sendo válido frisar que tem plena convicção da veracidade de suas afirmações", disse o advogado Daniel Castro, do escritório Brasil Salomão e Matthes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.