Amaral prevê normalização da economia a partir de agora

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Sérgio Amaral, afirmou acreditar que a economia brasileira entrará em processo de normalização a partir de agora. "Nos últimos dias, os mercados estão se tranquilizando progressivamente, primeiro pelo extraordinário desempenho da balança comercial e segundo porque os próprios candidatos a presidente disseram coisas sensatas e equilibradas que estão tranquilizando os mercados", afirmou. "O dólar está caindo e nós vamos entrar agora num processo de normalização da economia que junto com essa bonita festa democrática que estamos vivendo, abre espaço para um princípio positivo do próximo governo", afirmou o ministro depois de votar em uma faculdade no Plano Piloto, em Brasília. Amaral chegou acompanhado da esposa e das filhas. Ele declarou seu voto a José Serra, para a Presidência da República, mas preferiu não revelar o voto para o governo do DF. Ao ser questionado sobre a sua perspectiva para um futuro governo do PT, Amaral disse que gostaria de esperar o resultado das eleições, ainda que as pesquisas indiquem a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva. "O mais importante neste momento é que nós estamos vivendo uma grande festa que mostra a maturidade da democracia brasileira, depois de um período de oito anos em que houve ampla liberdade e tranquilidade para o País", disse o ministro. "Agora é a afirmação da democracia e sobretudo de uma transição democrátiva sem qualquer trauma, atrito ou instabilidade. Eu tenho muita convicção que a tranquilidade e a estabilidade não serão só na democracia e na política, mas temos condições de mostrar também a maturidade das nossas instituições econômicas e a solidez da nossa economia", ressaltou o ministro. ?Exportações foram a chave do crescimento econômico?O ministro disse também que as exportações foram a chave do crescimento econômico. Para ele, as vendas externas não só contribuíram para um saldo expressivo da balança comercial, como também ajudou para um melhor resultado no déficit em conta corrente e reduziu a vulnerabilidade externa do País. Amaral reafirmou que o saldo comercial este ano deverá ultrapassar a casa dos US$ 10 bilhões e que em 2003 deve atingir US$ 15 bilhões. Segundo o ministro, essa perspectiva leva em conta apenas os dados comerciais. Ele explicou que é possível chegar a esse resultado apenas recuperando mercados que sofreram retração neste ano, como o da Argentina. "Fechamos um quadro externo melhor que no último ano. Eu acho que o próximo presidente vai dar um apoio muito decisivo às exportações", disse o ministro. Amaral preferiu não fazer uma projeção do patamar ideal do dólar para estimular as exportações, mas disse acreditar que ao voltar a um patamar equilibrado, o dólar vai garantir competitividade às exportações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.