coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Amazon pode lançar celular com tela 3D

Depois de se consolidar no mercado de tablets e leitores eletrônicos com seu o bem-sucedido Kindle, a Amazon poderá ampliar sua gama de produtos de hardware. Segundo o jornal inglês The Wall Street Journal, fontes próximas à empresa disseram que a companhia de Jeff Bezos estaria desenvolvendo dois smartphones, sendo um deles com tela com imagem em três dimensões.

O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2013 | 02h10

Para utilizar o dispositivo e ter a experiência tridimensional, não seria necessário usar quaisquer óculos especiais, como os que são usados em televisores 3D. Segundo o jornal, o aparelho teria uma tecnologia de rastreamento ocular que faria as imagens "flutuarem" por cima da tela, semelhante a um holograma.

Os usuários poderiam, então, navegar pelo conteúdo apenas movimentando os olhos. Segundo as fontes ouvidas pelo Wall Street Journal, o celular chegaria ao mercado nos próximos meses.

Além disso, a Amazon também estaria fabricando dispositivos de mídia: um tocador para reproduzir músicas diretamente da internet (streaming) e um aparelho voltado à transmissão de filmes e séries de TV online. A Amazon não se pronunciou sobre a informação.

Esta não é a primeira especulação sobre planos da empresa de lançar um smartphone, a fim de competir com iPhones e Androids em um mercado que segue em forte crescimento. Rumores sobre o lançamento de um celular próprio circulam desde o ano passado, inclusive com um serviço de mapas em 3D; no entanto, nunca foram confirmados pela empresa.

No ano passado, a Amazon inaugurou sua loja de livros digitais no Brasil, expandindo seus negócios na área que começaram em 2007 com o lançamento do leitor Kindle. Em 2011, a empresa entrou no mercado de tablets com o modelo Kindle Fire, com tela colorida. / A.C.P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.