Ambev admite vazamento de informações sobre fusão

O presidente da Ambev, Victório de Macchi, admitiu nesta terça-feira que houve vazamento de informações nas negociações para a fusão com a belga Interbrew, que levará à criação da segunda maior fabricante de cerveja do mundo. Ele disse que "já conversou" com os representantes da Comissão de Valores Mobiliários sobre o assunto. "Realmente, algumas informações vazaram, mas nós atendemos a todas as exigências da CVM", disse, após audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para comunicar a realização do negócio. Macchi disse que, na sua "percepção", o presidente "ficou satisfeito" com a fusão e considerou-a "extremamente importante para o País". O empresário disse que os últimos dados negativos da economia não preocupam a empresa. "Absolutamente. Nós confiamos muito neste país", disse, sem querer especificar o valor da operação. Na conversa com Lula, o presidente da AmBev afirmou que "essa associação global só foi possível porque o País mantém uma política de estabilidade e uma perspectiva de crescimento muito importante". O presidente da AmBev informou também que nos próximos 15 dias será feita a comunicação ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) da realização do negócio. O presidente da Ambev informou que nesta quarta-feira serão apresentados maiores dados sobre a fusão. "É uma aliança global entre uma empresa brasileira e uma belga. O que vai haver é uma complementariedade de empresas", afirmou.

Agencia Estado,

02 Março 2004 | 20h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.