AmBev irá investir R$ 200 milhões em maltaria no RS

A Companhia de Bebidas das Américas (AmBev) vai investir cerca de R$ 200 milhões para instalar uma maltaria em Passo Fundo, no norte gaúcho. O prefeito da cidade, Airton Dipp (PDT), recebeu a confirmação do projeto hoje por parte da área técnica da empresa. O município negociava com a companhia havia cerca de oito meses e, mais recentemente, equipes da Ambev estiveram na cidade. Seis áreas foram previamente indicadas, das quais duas foram consideradas preferenciais. Ambas têm acesso à rede ferroviária.A AmBev confirmou a decisão de investir na maltaria no Rio Grande do Sul, sem fornecer detalhes nem indicar o município escolhido. De acordo com fontes que participaram da negociação, a decisão por Passo Fundo considerou a infra-estrutura de escoamento (rodovias e ferrovia), disponibilidade de água, energia e a oferta de cevada na região. O Rio Grande do Sul é um dos principais produtores de cevada do Brasil. No ano passado, a AmBev fomentou em 30% o aumento do cultivo de cevada na região norte do Estado e anunciou parceria com a Embrapa Trigo, cuja sede é Passo Fundo, para o lançamento de sementes destinadas a melhorar a produtividade.Conforme participantes da negociação, a decisão teve três etapas: a primeira foi com a Argentina, que também tinha condições de receber o projeto. Depois que a opção foi pelo Brasil, a segunda decisão ficou entre São Paulo e Rio Grande do Sul. Por fim, a escolha recaiu sobre Passo Fundo. A prefeitura da cidade deve negociar ainda contrapartidas ao projeto, como obras de infra-estrutura de acesso à unidade e isenção do IPTU.O secretário de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul, Fernando Záchia, afirmou, por intermédio de sua assessoria, que o Estado negocia o projeto com a AmBev e aguarda conclusão do processo até a próxima semana. A AmBev tem duas fábricas de bebidas no Rio Grande do Sul (Sapucaia do Sul e Viamão), uma maltaria (Porto Alegre) e quatro centros de distribuição. A companhia não informa a participação do Estado em sua produção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.