Ambev prepara estréia na Dow Jones

Os American Depositary Receipts (ADRs) - certificado, emitido por bancos norte-americanos, que representa ações de uma empresa fora dos Estados Unidos - da Companhia de Bebidas das Américas (AmBev) estréiam na Bolsa de Nova York - Dow Jones - em 15 de setembro, afirmou ontem o diretor financeiro da empresa, Felipe Dutra. A empresa, fruto da fusão da Brahma com a Antarctica, publica hoje convocação de assembléia geral, em 14 de outubro, para aprovar a permuta de ações da Brahma. Os minoritários da Antarctica já migraram para a nova companhia em setembro do ano passado. Agora, os minoritários da Brahma terão a opção de trocar seus papéis por ações da AmBev - a relação de troca é de um para um. Os acionistas também poderão optar por exercer o direito de retirada pelo valor patrimonial dos papéis, como já havia sido divulgado anteriormente, de R$ 266,00 por lote de mil. O valor é bem inferior ao de mercado - os papéis preferenciais (PN, sem direito a voto) da Brahma fecharam ontem a R$ 1.830,00. Com a migração para a AmBev, as ações da Brahma deixam de ser negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) em 15 de setembro.A AmBev concluiu, após a aprovação do ADR, sua estrutura societária. A Ecap e a Braco, controladores da Brahma, passam a deter 19% do capital total da empresa e 45,4% do votante. A Fundação Antônio e Helena Zerrenner, controladores da Antarctica, ficaram com 6,6% do capital total e 14,4% do votante. A maior parte do capital da AmBev fica com os minoritários da Brahma: 72,8% do total e 36,8% do votante. Os minoritários da Antarctica, 1,6% do total e 3,4% do votante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.