Ambev: reajuste médio da cerveja foi entre 9% e 9,5% no 3º tri

Empresa antecipou tanto a elevação da carga tributária do setor, que seria realizado em 1º de outubro, quanto o ajuste de preços anual

Suzana Inhesta, da Agência Estado,

31 Outubro 2012 | 16h58

SÃO PAULO - O vice-presidente financeiro e de Relação com Investidores da Ambev, Nelson Jamel, informou nesta quarta-feira, 31, que a cerveja vendida pela companhia teve um aumento médio de preço entre 9% a 9,5% no terceiro trimestre. A empresa antecipou - via aumento dos valores finais de seus produtos - tanto a elevação da carga tributária do setor, que seria realizado em 1º de outubro, quanto o ajuste de preços anual que a companhia realiza ao longo do quarto trimestre de cada ano.

"Houve o aumento normal em linha com a inflação e mais um porcentual de 3% a 4% do repasse de impostos, que totalizou os 9% a 9,5%. Também estão inseridos os impactos de custos por conta da desvalorização do real ante o dólar", explicou o executivo, há pouco, em teleconferência com jornalistas.

Entretanto, em 28 de setembro o governo federal decidiu adiar parcialmente o aumento dos impostos sobre a cerveja para abril de 2013. Com isso desde outubro, a Ambev anunciou promoções pontuais para "devolver" esse repasse de aumento de imposto que não ocorreu.

"O aumento de preço foi em linha com a estratégia comercial da companhia e varia de item, embalagem, região, entre outros. Já a redução de preços é feita caso a caso. Ao longo do ano, em média, o reajuste de preços ficará por volta de 9%", declarou Jamel.

Questionado sobre se abril de 2013, a empresa vai realizar novo ajuste, por conta da aplicação do aumento da carga tributária, Jamel disse que sim. "Mas serão repassados os 3% previstos na decisão do governo e os porcentuais definidos nos anos seguintes. O bom dessa decisão do governo é que os reajustes serão aplicados ao longo do tempo e será mais fácil de absorvê-los", declarou.

Mais conteúdo sobre:
Ambev Reajuste Cervejas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.