Ambev se torna empresa mais valiosa da América Latina

Fabricante de bebidas superou esta semana a colombiana Ecopetrol, do setor de petróleo, em valor de mercado

LÍLIAN CUNHA, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2012 | 02h10

O mercado voltou a considerar que cerveja vale mais que petróleo. Esta semana, a Ambev não só voltou a ultrapassar a Petrobrás, como também superou a colombiana Ecopetrol, tornando-se assim a companhia aberta de maior valor de mercado da América Latina, avaliada em US$ 120,1 bilhões (R$ 249,9 bilhões), conforme a consultoria Economática.

No pregão de ontem, as ações da Petrobrás tiveram queda de 1,65%, baixando o valor de mercado da companhia para US$ 118,36 bilhões (R$ 246,3 bilhões). A Ecopetrol fechou o dia valendo US$ 119,5 bilhões.

A Ambev, que havia superado a Petrobrás na semana passada por um dia, voltou na segunda-feira a ultrapassar a petroleira brasileira. Ontem, mesmo com queda de 0,23%, se manteve à frente da empresa e ainda passou a colombiana.

"Os investidores têm procurado ações mais defensivas e as empresas de bens de consumo brasileiras se encaixam nesse perfil. A Ambev é a maior delas", explica o analista Gabriel Vaz de Lima, do Barclays Capital. "Além disso, a cervejaria é boa geradora de caixa, paga dividendos e não tem dívidas."

A Ecopetrol vem perdendo valor de mercado desde a sexta-feira. Várias ações colombianas tiveram queda desde então. Isso porque o Banco Central do país anunciou na semana passada que a economia local está desacelerando em um ritmo mais forte que o esperado.

Já a Petrobrás vem se desvalorizando por conta do preços dos combustíveis que, segundo a Quantitas Asset Management, estão defasados em cerca de 25% por falta de reajustes. Na Colômbia, a Ecopetrol reajusta preços mensalmente conforme a variação no mercado internacional.

Aqui, o último aumento foi em junho, com alta de 7,38% para a gasolina e 3,94% para o diesel, nas refinarias. Os porcentuais, segundo analistas, não foram suficientes e podem afetar os investimentos da empresa. "Enquanto a Petrobrás vê atrasos em seus projetos futuros do pré-sal, a Ambev aproveita o crescimento de sua receita em termos reais", diz Marcel Mitsuo Kussaba, chefe da área de análise de investimentos da Quantitas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.