Ambev terá gestão compartilhada, mas Interbrew detém controle

O co-presidente do conselho da AmBev, Victorio de Marchi, afirmou hoje que a cervejaria belga Interbrew terá a supremacia econômica da empresa brasileira, com 52,8% do controle. Entretanto, o comando da AmBev será compartilhado entre a Fundação Antonio e Helena Zerrener (FAHZ) e a Interbrew, cada qual com mesmo número de conselheiros e mesmo poder de veto sobre a empresa. "O que vale mesmo não é o valor econômico, mas o poder decisório", ressaltou de Marchi. Ele explicou que a gestão compartilhada das companhias é regida por um acordo de acionistas já existente, que tem duração de 20 anos e pode ser renovado. Durante esse período, nem Intrebrew e nem os acionistas da AmBev que permutaram ações poderão vender seus papéis. "É impossível sair do controle", disse o co-presidente do conselho da AmBev referindo-se às participações cruzadas. De acordo com o executivo, não haverá a criação de uma holding para controlar os negócios. A AmBev e a Interbrew permanecerão independentes. No entanto, a AmBev, que terá o comando dividido entre a FAHZ e a Interbrew, irá incorporar juridicamente os negócios da Labatt (subsidiária integral canadense da Interbrew), respondendo por todas as operações nas três Américas dentro da aliança concluída nesta madrugada.A Interbrew, por sua vez, irá comandar os negócios na Europa, Eurásia, Ásia e alguns países da África, e terá o comando dividido entre as famílias belgas e os acionistas da AmBev antes reunidos na empresa Braco S/A.Para ler mais: Fusão AmBev/Interbrew é destaque na EuropaAmBev tem lucro líquido de R$ 1,411 bilhões em 2003AmBev não está sendo comprada, diz InterBrewLucro da Interbrew subiu 9,1% em 2003, abaixo do esperadoAções da Interbrew caem 5,35% com anúncio de acordoAmbev e Interbrew anunciam termos de troca de açõesAmbev admite vazamento de informações sobre fusãoAmbev será investigada por uso de informação privilegiadaAmBev anuncia que negocia várias operações com InterbrewNegociação AmBev-Interbrew derruba ações na Bélgica

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.