Soe Zeya Tun/Reuters
Soe Zeya Tun/Reuters

Ambipar aposta alto e quer fazer lixo de empresas virar dinheiro novo

Após abrir capital, empresa de gestão ambiental foi às compras e quer mostrar a clientes que sustentabilidade pode ser rentável; companhia atua hoje em 15 países, além do Brasil

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2021 | 05h00

Após rechear seu caixa com sua oferta inicial de ações (IPO, pela sigla em inglês) na B3, a empresa de gestão ambiental Ambipar fez uma forte aposta em aquisições: em nove meses, a companhia já adquiriu oito negócios voltados a uma nova estratégia no setor de resíduos: a transformação do lixo de empresas em uma fonte de receitas. Parte das aquisições fechadas ocorreu lá fora, já que a companhia atua hoje em 15 países, além do Brasil.

O IPO da empresa, feito em julho de 2020, encarou a alta volatilidade do mercado em meio ao que à época se acreditava ser o auge da pandemia. Com arrecadação de R$ 1 bilhão, a operação reforçou o interesse dos investidores por empresas relacionadas à temática ESG (sigla para ambiental, social e de governança, pela sigla em inglês).

“A empresa passou a ter uma visibilidade muito maior após o IPO. Alguns dos segmentos que trabalhávamos passaram a gerar um interesse crescente, principalmente em relação ao tratamento de resíduos”, diz a presidente da Ambipar, Cristina Andriotti.

Cristina destaca que a economia circular – quando o lixo é transformado novamente em matéria-prima, por exemplo – está cada dia mais no radar das companhias do Brasil e do exterior. “Alguns setores estão mais adiantados, como o farmacêutico, o de cosméticos e o de bebidas. Outros estão correndo atrás porque hoje já perceberam que financeiramente isso é algo bom para elas”, diz. 

No caso da indústria de bebidas, a Ambipar trabalha na produção de álcool ecológico a partir de bebidas que contêm açúcar. Fora isso, é possível transformar as garrafas pet e tampinhas em máscaras de proteção N95 ou em matéria-prima para novas garrafas e tampinhas.

Já na indústria de fármacos, é possível reutilizar as sobras do colágeno utilizado no processo de fabricação de cápsulas de vitaminas e medicamentos. 

A Ambipar tem duas verticais de negócios: a de meio ambiente, que faz gestão e tratamento de resíduos. A outra vertente se dedica à prevenção de acidentes ambiental e à resposta emergencial quando eles ocorrem. 

A empresa atua em questões envolvendo vazamento de produtos químicos, poluentes e incêndios. Atuou, por exemplo, na tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais.  

Para ampliar seus negócios, a Ambipar acompanha de perto o mercado dos EUA, onde fez três aquisições na área respostas a emergências. No Canadá e Reino Unido foram feitas outras duas aquisições. A empresa vê oportunidades de expansão internacional.

Segundo Thiago Silva, diretor da área financeira da Ambipar, o ciclo de consolidação via compras está chegando ao fim. Isso não quer dizer, porém, que novas aquisições estejam descartadas. Segundo a presidente da Ambipar, a companhia ainda quer, por exemplo, adicionar aos seus serviços um projeto de segurança de trabalho. 

Expansão

Os resultados do ano passado da empresa foram bem recebidos pelo mercado. Analistas que acompanham o negócio esperam um crescimento maior em 2021. “Os contratos de gestão de lixo continuam a atingir as expectativas, encerrando 2020 com 20 contratos, com receita média de R$ 10 milhões por ano. Esperamos que o ritmo de novos contratos se acelere”, aponta relatório do Bank of America.

O crescimento foi destacado também pela casa de análise Eleven. “Em nossa visão, o desempenho reflete não somente a expansão internacional e estratégia de M&A como também um crescimento orgânico acima das nossas expectativas”, segundo o documento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.