AP
AP

coluna

Coluna Dan Kawa: Juro baixo é bom, mas impõe desafio ao investidor

Ameaça de rompimento na zona do euro faz mercados despencarem

Bolsa de Londres fechou em queda de mais de 1,83%; no restante da Europa, o tombo foi ainda maior

Jamil Chade, O Estado de S. Paulo

29 de junho de 2015 | 05h23

Atualizado às 13h30

GENEBRA – Os mercados operaram nesta segunda-feira com forte queda, depois que a Grécia anunciou controle de capitais e de estar ameaçada de sair da zona do euro.

Diante desse quadro, as bolsas europeias fecharam em forte baixa: Londres caiu 1,83%, Paris recuou 3,68%, Milão perdeu 5,17% e Frankfurt declinou 3,48%. Na Alemanha, as ações também foram pressionadas pelo resultado preliminar do índice de preços ao consumidor (CPI) de junho, que caiu 0,1% ante maio, contra previsão de alta de 0,1%.

A Bolsa de Atenas não abrirá por toda a semana. Mas, em diversos mercados do Sul da Europa, a queda tem sido importante. Na Espanha, a Bolsa de Madri estava em queda de 4,57% perto do fechamento.

As ações dos bancos foram as mais expostas, com quedas de até 10%. "A Grécia parece estar causando um tornado nos mercados financeiros", alertou Michael Hewson, analista do CMC Markets. 

O euro também perdeu terreno diante do dólar, enquanto investidores partiram para ativos mais seguros. O ouro, por exemplo, subiu. 

Pela Europa, os principais governos vão realizar reuniões de emergência durante o dia, antes do prazo final para que a Grécia pague suas dívidas, nesta terça-feira. O presidente americano, Barack Obama, chegou a telefonar para a chanceler alemã Angela Merkel para pedir que a UE não abandone a Grécia. 

No sábado, a negociação entre os gregos e a UE fracassou diante da insistência do governo de Alexis Tsipras de realizar um referendo no dia 5 de julho para consultar a população se estariam dispostos a mais um pacote de austeridade, em troca de recursos do FMI e da UE. 

O problema é que os gregos precisam encontrar 1,6 bilhão de euros para pagar parte de sua dívida até terça-feira e, se não cederem no que se refere ao referendo, a UE já anunciou que o programa de resgate estará suspenso. Na prática, a Grécia quebraria e daria um passo significativo para sair da zona do euro.

A situação ficou ainda mais tensa quando, na manhã de ontem, o Banco Central Europeu anunciou que não pretende elevar o volume de recursos do fundo que dispõe para garantir uma assistência emergencial aos bancos da Grécia. 

O mecanismo europeu de apoio não foi eliminado. Mas seu teto não será alterado.

Para esta segunda-feira, ele seria de 89 bilhões de euros. Ainda que o BCE admita que está disposto a mudar sua estratégia para garantir a "sustentabilidade financeira" da Grécia, a realidade é que a Europa deu um sinal à Atenas de que não iria incrementar a ajuda. A meta era clara: criar uma pressão para que o governo de Alexis Tsipras renunciasse a seu projeto.

O resultado dessa medida foi a decisão em Atenas de decretar um feriado bancário e o fechamento da bolsa de valores por sete dias. Tspiras, porém, apelou à população por “calma e paciência”, enquanto milhares de pessoas faziam filas em caixas eletrônicos pelo país. Segundo ele, os depósitos estão garantidos. "Todos os depósitos, salários e aposentadorias estão garantidos", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.