coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

Ameaça do Irã deixa mercados nervosos

As ameaças do líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, mexeram com praticamente todos os mercados nesta manhã, provocando alta no petróleo, a qual prejudicou o andamento das bolsas na Europa e dos futuros em Nova York. O dólar também se ressentiu dos comentários do aiatolá, embora a pressão maior sobre a moeda continue sendo exercida pelo fraco indicador de vagas criadas em maio nos EUA, divulgado na sexta-feira. A queda do dólar, por sua vez, favoreceu as compras de ouro, que foram alimentadas ainda pelo avanço do petróleo, o qual levou investidores a procurar proteção no metal.O líder supremo iraniano alertou ontem que o fluxo do transporte marítimo do petróleo a partir da região do Golfo Pérsico poderá ser comprometido se os EUA tomarem uma decisão errada em relação ao país. O comentário se contrapõe à sinalização positiva dada sábado pelo presidente do Irã e pelo Ministro de Relações Exteriores, que se mostraram dispostos a receber e a responder ao pacote de propostas fechado na quinta-feira passada pelos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU. O pacote prevê uma série de benefícios para tentar dissuadir o Irã de dar prosseguimento ao seu programa de enriquecimento de urânio. O documento contendo as propostas do CS da ONU será entregue amanhã ao Irã pelo diretor de política externa da União Européia, Javier Solana.Apesar da demonstração de boa vontade do presidente e o Ministro das Relações Exteriores, ambos alertaram, entretanto, que o país não pretende abandonar seu programa nuclear e defenderam o direito também do Irã de desenvolvimento de tal tecnologia para fins pacíficos.A secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice, minimizou a ameaça do aiatolá, dizendo que o país depende das exportações de petróleo.Um trader do petróleo em Londres observou que o aiatolá é de fato o líder do Irã e que foi a primeira vez que fez menção à possibilidade de dano no abastecimento. É uma clara indicação da tolerância zero contra eventuais sanções, sejam elas leves ou pesadas, afirmou.Às 8h21 (de Brasília), o contrato de julho do petróleo negociado no pregão eletrônico da Nymex subia 1,69%, para US$ 73,55 o barril, abaixo da máxima a US$ 73,84 o barril. Em Londres, o contrato de mesmo vencimento subia 1,97% para US$ 72,43 o barril. O futuro Nasdaq-100 caía 0,19% e o S&P 500 cedia 0,12%. Ambos já registraram perdas maiores mais cedo. Em Londres, o índice FT-100 subia 0,20%, beneficiado pelos ganhos entre papéis das companhias de petróleo com a apreciação da commodity. Frankfurt caía 0,51% e Paris recuava 0,41%, quedas inferiores as registradas no começo do dia. O dólar subia a 111,76 ienes, de 111,65 ienes na sexta-feira; operou em 111,42 ienes na mínima. O euro subia para US$ 1,2955, de US$ 1,2025. O ouro spot subia 1,49% para US$ 644,80 a onça-troy.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.