coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

América do Sul pode ter déficit de gás natural em 2013

A América do Sul pode registrar um déficit de 72 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia em 2013, e até 177 milhões de metros cúbicos diários em 2018, segundo estimativas da Consultoria Navigant, divulgadas hoje no 4º Energy Integration Congress, no Rio de Janeiro.O diretor de energia da Navigant, Chris Gonçalves, disse em palestra sobre o impacto dos novos fluxos energéticos da América do Sul que o déficit foi calculado com base no ritmo de crescimento da oferta versus a demanda estimada pelos países do Cone Sul no período.Se consideradas as unidades de regaseificação de gás natural liquefeito (GNL) a serem construídas no Brasil, Chile e Uruguai, além de indústrias supridoras na Venezuela e no Peru, este déficit seria reduzido para 20 milhões de metros cúbicos por dia, e para algo entre 61 milhões e 72 milhões de metros cúbicos por dia.PetrobrasA Petrobras poderá atuar no mercado internacional de GNL utilizando os dois terminais móveis de regaseificação, contratados junta à empresa inglesa Golar, para atenderam respectivamente às unidades que estão sendo construídas na Baía de Guanabara e no Porto de Pecém (CE), de acordo com o gerente-executivo de Gás e Energia da estatal, Antonio Eduardo Monteiro de Castro.As duas embarcações estão sendo convertidas pela Golar, a partir de navios supridores, ou seja, que hoje são utilizados apenas para transportar o GNL. Nesta conversão, eles recebem a bordo uma planta de regaseificação. Pelo projeto da Petrobras, eles estarão ligados à terra por um píer, onde estará instalado o gasoduto que vai levar o gás para as refinarias e térmicas. Do outro lado, ele será acoplado aos navios supridores que chegarão ao País com o GNL importado."A Petrobras optou por estes dois sistemas móveis de regaseificação também pela possibilidade de utilizá-los durante o período de ociosidade. Essa é a grande vantagem de ele ser flexível", disse o executivo.Os dois navios devem entrar em operação em maio de 2009 e maio de 2008. O primeiro terá capacidade de processamento de 14 milhões de metros cúbicos por dia, com armazenamento previsto de 139 milhões de metros cúbicos, e o segundo de processamento de 7 milhões de metros cúbicos por dia e armazenamento de 120 milhões de metros cúbicos por dia.

KELLY LIMA, Agencia Estado

30 de outubro de 2007 | 15h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.