American Express cortará 7 mil empregos, ou 10% do total

Após queda no lucro, empresa quer economizar US$ 1,8 bilhão em 2009 com plano de corte de custos

Danielle Chaves, da Agência Estado,

30 Outubro 2008 | 14h44

A American Express vai cortar cerca de 10% de sua força de trabalho, ou 7 mil empregos, como parte de um plano de corte de custos com o qual a empresa de cartões de crédito espera obter US$ 1,8 bilhão em economias no próximo ano. O anúncio é feito 10 dias depois de a empresa divulgar resultados ruins no terceiro trimestre deste ano (queda de 24% no lucro líquido) e dizer que estava concluindo um plano de corte de custos, à medida que os prejuízos com crédito se acumulam. Às 12h52 (de Brasília), as ações da companhia subiam 3,33%, para US$ 26,05, na Bolsa de Nova York.   Veja também: Veja os reflexos da crise financeira em todo o mundo Veja os primeiros indicadores da crise financeira no Brasil Lições de 29 Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise Dicionário da crise    O corte de vagas - em postos de gerência e outras posições que não interagem diretamente com os consumidores - vai gerar despesas entre US$ 370 milhões e US$ 440 milhões no quarto trimestre deste ano. Um congelamento das contratações também será implementado e os salários de gerência não terão aumento no próximo ano.   Essas medidas deverão gerar economia de cerca de US$ 700 milhões em 2009, enquanto a redução dos gastos com tecnologia, marketing, desenvolvimento de negócios e diminuição de custos associados a alguns programas de prêmios, deverá salvar US$ 1 bilhão. "O programa de reengenharia que anunciamos nesta quinta-feira vai nos ajudar a operar em um dos mais desafiadores ambientes econômicos visto em muitas décadas", afirmou o chairman e executivo-chefe da empresa Kenneth Chenault. O executivo acrescentou que a reestruturação vai ajudar a companhia a aumentar o investimento, à medida em que as condições econômicas melhorarem.   A American Express está se preparando para uma piora em seu desempenho no curto prazo por causa das preocupações econômicas. Na semana passada, o diretor-financeiro da empresa, Dan Henry, disse que a companhia espera que os níveis de baixas contábeis continuem crescendo nos próximos trimestres. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.