Reuters
Reuters

Americanos já hipotecam casas para comprar bitcoin nos EUA

Segundo o presidente da Associação de Administradores de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, contratos futuros não legitimam cotação da criptomoeda, por ainda não ter regulação

O Estado de S.Paulo

13 Dezembro 2017 | 13h36

Em meio à disparada da cotação do bitcoin, alguns norte-americanos já estão hipotecando suas casas para comprar a moeda, afirmou uma associação de valores mobiliários dos Estados Unidos.

"Temos visto pessoas hipotecando suas casas para comprar bitcoin. Recorrem a cartões de crédito e a empréstimos”, afirmou à rede de TV CNBC  Joseph Borg, presidente da Associação de Administradores de Valores Mobiliários dos EUA – organização voluntária de proteção ao investidor.

De acordo com ele, os investidores que estão contraindo essas dívidas não são aqueles com rendimentos superiores a US$ 100 mil por ano, mas justamente quem já possui uma hipoteca para pagar e dois filhos na faculdade.

“Você está na fase da mania. Em algum momento, haverá um nivelamento. As criptmoedas estão aqui para ficar.  O blockchain está aqui para ficar. Se será o bitcoin ou não, eu não sei”, afirmou.

+ Valorização de bitcoin é 'bolha' e 'pirâmide', diz Banco Central

Na noite de domingo, o bitcoin começou a ser negociado em mercado futuro na Bolsa de Chicago. Os contratos futuros da moeda virtual chegaram a ter alta de 22% no início das negociações do pregão. O valor do contrato de um mês chegou a variar de US$ 15,5 mil para US$ 18,7 mil, antes de começar a recuar.

+ ECONOWEEK: Bitcoin é uma bolha?

Segundo Borg, os contratos futuros não legitimam a cotação da criptomoeda, já que a inovação e a tecnologia estão sempre à frente da regulação. "À medida que [a tecnologia] continua a acelerar e a crescer, os reguladores devem entender do que se trata a inovação que está chegando, sobre a qual ainmda estamos tentando nos informar", disse.

Nesta quarta-feira, a moeda à vista era negociada a US$ 17 mil.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.