bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Americanos vêm ao Brasil negociar compra da Varig

Os donos do fundo Matlin Patterson, sócios americanos da Volo do Brasil, chegam esta semana ao Rio de Janeiro para negociar a proposta de aquisição da Varig. O juiz da 8ª Vara empresarial, Luiz Roberto Ayoub, decide nos próximos dias se convoca novo leilão judicial ou uma assembléia de credores para avaliar a proposta.A decretação da falência não está descartada. A decisão de Ayoub depende de um parecer do administrador judicial, a Deloitte, aguardado para esta segunda-feira, 26.A concretização da proposta de aquisição da Varig, por US$ 485 milhões, estava condicionada à aprovação, pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), da compra da VarigLog pela Volo. Depois de quase seis meses de análise, a Anac aprovou a operação no sábado, 24. A Volo é uma sociedade formada pelo fundo Matlin (via Volo Logistics) e três sócios brasileiros. Segundo um executivo próximo à negociação, a Volo/VarigLog pretende entrar com cautela na Varig, pois está consciente de que a decisão da Anac poderá ser contestada. "Há uma dura batalha pela frente ainda", diz o executivo. SindicatoO Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (Snea), contrário à venda da VarigLog por acreditar que a presença do Matlin fere a lei que limita a 20% a participação estrangeira em empresas aéreas, deve entrar na Justiça ainda esta semana contra a decisão da Anac. A disputa deve ganhar contornos políticos. Senadores de oposição pretendem convocar, para maiores explicações, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, o diretor-geral da Anac, Milton Zuanazzi, o diretor do Snea, Anchieta Hélcias, e representantes da Volo.A confirmação da VarigLog como potencial investidora na Varig abre espaço para uma injeção de recursos de curto prazo, em valores que poderão variar de US$ 20 milhões a US$ 35 milhões. Desse montante, aproximadamente dois terços seguiriam para recuperação de parte dos 16 aviões que estão parados para manutenção. O fundo Matlin também vem mantendo conversas com empresas de leasing de aviões e terá de colocar em dia os aluguéis para garantir a reincorporação de parte dos mais de 20 equipamentos parados por decisão judicial. Situação críticaA situação da Varig hoje é bem mais crítica do que em agosto do ano passado, quando o Matlin manifestou interesse pela companhia. Na época, o chinês Lap Chan, um dos sócios do Matlin, previa um prazo de cinco a sete anos para recuperar a Varig. "A situação se deteriorou bastante, mas a marca ainda é muito forte", avalia o executivo.Em entrevista na sexta-feira à noite, o presidente da Varig, Marcelo Bottini, afirmou que esta semana a companhia fará contato com o juiz da Corte de Falências de Nova York, Robert Drain, "para dar um posicionamento dessa nova negociação". A expectativa das empresas de leasing é de que o juiz deverá prorrogar novamente, em audiência na quarta-feira, a liminar que protege a Varig do arresto de aviões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.