Amorim: alta de oferta de alimentos exige fim de subsídio

A escassez mundial de alimentos significa "mais pressão para eliminar os subsídios (à agricultura) nos países desenvolvidos", segundo o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim. O Brasil defende que a eliminação dos subsídios dados por governos de países desenvolvidos a seus agricultores deve beneficiar a produção de alimentos por parte de países em desenvolvimento.O chanceler brasileiro declarou estar "preocupado" por estar vendo uma "tendência para adiar" as negociações da Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC), onde o assunto dos subsídios é discutido. "O prazo é curto. (O acordo) Tem que vir antes das eleições americanas", afirmou. As eleições nos Estados Unidos devem se realizar em novembro deste ano.Amorim não deu informações sobre a possibilidade ou não de o Brasil vir a taxar a exportação de arroz. "Não sei", disse apenas, sobre o assunto. Ontem, a ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, negou existir risco de desabastecimento de arroz no mercado interno e descartou a possibilidade de imposições de barreiras às exportações da iniciativa privada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.