Amorim diz que negociações de Doha estão à beira de crise

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, concordou, nesta sexta-feira, que as negociações Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC) estão à beira de uma crise. A mesma advertência havia sido feita nesta manhã pelo diretor-geral da organização, Pascal Lamy, ao abrir a conferência do Comitê de Negociações Comerciais da organização, que reúne os representantes dos 149 países membros. "Algumas vezes precisamos de uma crise para obter as decisões políticas necessárias a um acordo. Esta não será a primeira vez", afirmou.O chanceler iniciou sua entrevista à imprensa dizendo que nada de novo havia ocorrido nas reuniões realizadas desde a noite da última quinta-feira, apesar do ambiente positivo. Mas mostrou-se encorajado a continuar nas negociações. "Eu tenho dificuldades de ver qualquer avanço nesta etapa. Isso não vai me desencorajar, mas aumenta a missão do diretor-geral e dos líderes nos próximos dias e semanas", afirmou. "O que eu vejo até agora não me leva a pensar que devamos parar com tudo."O chanceler admitiu que os europeus deram sinais de avanço de sua oferta de abertura do mercado agrícola, na direção da proposta do G-20, de corte médio de 54%. Mas nada concreto foi apresentado. Dos Estados Unidos, tampouco há gestos concretos. Apenas a indicação de que o interesse dos americanos em saber realmente até onde os europeus podem chegar poderia gerar uma nova oferta sobre subsídios domésticos. "Eu espero que esse movimento apareça. Ele será", resumiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.