Amorim: embargo à carne pode ser contra regra da OMC

O embargo europeu à carne brasileira pode estar em choque com as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e coloca em risco um eventual acordo comercial entre o Mercosul e a União Européia (UE). Esse foi o recado dado ontem pelo ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, em Madri, após reunir-se com seu colega espanhol, o ministro Miguel Ángel Moratinos.Amorim afirmou que a exigência européia de que o Brasil selecione apenas 300 fazendas exportadoras não faz sentido, ainda que o governo brasileiro haja detectado falhas na lista de 2.681 propriedades produtoras enviada à União Européia. "Não faz sentido estabelecer um número de estabelecimentos a priori", disse o ministro, segundo informação distribuída pelo Itamaraty. "Não há argumento que possa sustentar isso, a não ser o desejo de diminuir. É uma forma indireta de criar restrições quantitativas, e restrições quantitativas são contra a OMC."As exigências de controle sanitário e rastreamento de bovinos foram adotadas pela União Européia por causa de animais contaminados pelo mal da vaca louca, disse Amorim. Porém, o Brasil jamais registrou a ocorrência da doença. "É uma exigência muito forte para um país que nunca teve um caso."O embargo à carne foi citado por Amorim como um exemplo de atitude européia que, a seu ver, dificulta a amizade e a aliança estratégica na qual o Brasil tem muito interesse. "Obviamente, isso é um desestímulo para um futuro acordo comercial", comentou, referindo-se aos entendimentos entre o Mercosul e a UE.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.