Amorim: Lula não foi ao Chile pois não faz parte da Apec

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva não foi à reunião de cúpula da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec), que se realizou no último fim de semana em Santiago, no Chile, porque não é membro desse bloco, disse nesta terça-feira o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim. O presidente havia, de fato, sido convidado a participar, "mas era para uma reunião com empresários", informou o ministro. Ou seja, ele não participaria das principais discussões, envolvendo os chefes de Estado. Na avaliação de Amorim, o presidente não perdeu nenhuma oportunidade de contato importante por não ir à reunião da Apec. "Como, perder oportunidade? Toda a Apec veio aqui", comentou. Dos chefes de Estado que participaram da reunião, estiveram no Brasil os presidentes da China, Hu Jintao, da Coréia do Sul, Roh Moo-hyun, do Vietnã, Tran Duc Luong, da Rússia, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro do Canadá, Paul Martin. Por causa desse desfile de visitantes oficiais e de todo o trabalho envolvendo a reforma ministerial, o presidente Lula não pôde ir nem à reunião da Cúpula Ibero-Americana, da qual o Brasil é membro, e que se realizou nos mesmos dias da Apec, no último fim de semana na Costa Rica. A ida a Santiago poderia ser uma boa oportunidade para Lula encontrar-se com o presidente norte-americano, George W. Bush. "Com o Bush, ele tem estado outras vezes, falou por telefone", lembrou Amorim. "É muito melhor estar em one to one basis do que ficar lá, no meio de 20, 30 outros chefes de Estado". O embaixador dos Estados Unidos no Brasil, John Danilovich, já disse aos diplomatas brasileiros que Bush quer vir brevemente ao país. A visita poderá ocorrer no ano que vem. São membros da Apec: Austrália, Brunei, Canadá, Chile, China, Hong Kong, Indonésia, Japão, Coréia do Sul, México, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, Peru, Filipinas, Rússia, Singapura, Taiwan, Tailândia, EUA e Vietnã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.