Amorim não apóia mecanismo contra aumento das importações

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse hoje que o Brasil mantém a sua posição contrária à proposta argentina de criação de um mecanismo automático de salvaguardas para o caso de aumento excessivo de importações dentro do Mercosul. "Eu ignoro qualquer mudança da posição do Brasil em relação a salvaguardas", afirmou. O chanceler afirmou que o governo brasileiro compreende as situações de transição, numa referência aos processo de recuperação da economia argentina. "Elas (essas transições) têm sido resolvidas, devem ser resolvidas e tem sido, nem sempre a contento. Algumas vezes as temperaturas baixam e você acha que os problemas desapareceram. De repente, sobem de novo", destacou. Amorim considera que essas questões são complexas mas que o Brasil deve ter o máximo de boa vontade para resolvê-las. Advertiu, entretanto, que a perspectiva brasileira prevê a dinamização do Mercosul, o favorecimento da integração e a melhoria das possibilidades para a adoção de uma política industrial conjunta.

Agencia Estado,

06 Maio 2005 | 16h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.