Amorim pede maior abertura do mercado da Argélia

Foi com os argelinos que o Brasil teve o 3.º maior déficit comercial em 2007

Adriana Fernandes, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

23 de junho de 2008 | 00h00

O governo brasileiro quer que Argélia reabra o mercado para a carne brasileira e compre aviões da Embraer. O assunto foi discutido ontem entre o presidente da Argélia, Abdelaziz Bouteflika, e o ministro das Relações Exteriores brasileiro, Celso Amorim. Também há interesse da Petrobrás em aprofundar a cooperação com a Sonatrach, estatal argelina de petróleo, nas áreas de fornecimento de Gás Natural Liquefeito (GNL) e parceria offshore. Em visita ao país africano, o chanceler Amorim defendeu uma "parceria renovada" entre o Brasil e a Argélia, com forte cooperação bilateral nas áreas de desenvolvimento industrial e produção agrícola. Atrás apenas da Nigéria e da China, a Argélia foi o terceiro país, em 2007, com o qual o Brasil teve maior déficit comercial. Desde o começo do governo Bouteflika, em 1999, o déficit comercial acumulado é de US$ 13 bilhões. O déficit comercial do Brasil com a Argélia é decorrente das compras de petróleo e gás natural. A Argélia tem a sétima maior reserva de gás natural do mundo e é o 14º país com maiores reservas de petróleo.Segundo o Itamaraty, o chanceler brasileiro disse ao presidente Bouteflika que é "muito importante que a Argélia compre mais produtos do Brasil". Amorim disse ao presidente argelino que a reabertura do mercado argelino para a carne brasileira, que sofre embargo desde 2005, e a compra de aviões da Embraer são duas medidas concretas que poderiam levar a resultados imediatos para essa renovação. O Itamaraty informou que há interesse preliminar de uma empresa aérea (Tassili), ligada à estatal Sonatrach, e do próprio Ministério da Defesa em adquirir os aviões brasileiros.O Brasil espera que o Mercosul e a Argélia fechem um acordo para a concessão de preferências tarifárias fixas, que possa abrir caminho para um acordo de livre comércio. No encontro com Bouteflika, Amorim também discutiu o interesse do Brasil em projetos de construção civil.Também há interesse recíproco em cooperar na área militar e de vigilância do território: os dois países têm vastas extensões escassamente povoadas, fronteiras distantes e porosas, e ameaças de ação de grupos ilegais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.