Amorim propõe retomada de negociações com União Européia

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse hoje, em seminário na Câmara sobre "A rodada de Doha da OMC", que propôs ao comissário da União Européia para o Comércio, Peter Mandelson, um encontro ministerial entre o Mercosul e o bloco europeu para resolver entraves específicos na negociação do Acordo de Livre Comércio. Segundo ele, as últimas rodadas com os europeus deixaram claro que o seus negociadores técnicos não querem a continuidade da negociação. Amorim relatou que um desses técnicos europeus chegou a dar um "golpe baixo", ao afirmar que o negociador brasileiro não havia cumprido as instruções do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Amorim ressaltou que esse tipo de limitação às negociações só poderá ser resolvido em âmbito político. Daí a proposta do encontro ministerial com a União Européia, ainda sem data marcada. Amorim destacou que a última oferta de acesso a mercados, apresentada pela União Européia "é ruim e limitada". Ele disse ainda que o Brasil está disposto a fazer concessões nos setores de serviços, desde que os europeus façam uma proposta mais atraente sobre a agricultura. "O lema que temos de usar nessas negociações é o ´é recebendo que se dá´", disse. Posição norte-americana Amorim disse também que para o Mercosul a Área de Livre Comércio das Américas representa apenas a negociação com os Estados Unidos. Ele lembrou que, assim como os Estados Unidos estão expandindo seus acordos comerciais na América Latina, o Mercosul também avançou na mesma direção. Nesse sentido, o ministro disse que propôs ao representante dos Estados Unidos para o Comércio, Rob Portman, uma reunião na qual poderia ser tratada a proposta do Mercosul de se iniciar uma negociação direta com os Estados Unidos de um acordo de liberalização comercial. Amorim afirmou que a proposta foi bem recebida, mas que uma resposta definitiva deverá ser apresentada somente em algumas semanas.

Agencia Estado,

18 Maio 2005 | 15h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.