Anac orienta: quem tem milhas deve marcar passagem

As milhas dos clientes da Varig ainda geram polêmica. Contudo, a Agência Nacional da Aviação Civil mudou seu discurso e já orienta o cliente da Varig a trocar rápido suas milhas pelo bilhete. O diretor da Anac, Milton Zuanazzi, não quis comentar como as milhas serão tratadas no plano de contingência, que só será anunciando formalmente em caso de paralisação definitiva da Varig. Contudo, orienta: "Quem tem milhas deve ir à Varig e marcar seu bilhete. A Varig está viva." No início da semana, a posição da Anac era de que milhas eram apenas um prêmio ao consumidor e, portanto, não haveria nenhuma garantia de seu recebimento.O diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça, Ricardo Morishita, também defendeu que o passageiro que tem um bilhete já emitido em troca de milhas tem que ser transportado. A maior parte dos Procons estaduais defende que milhas, mesmo ainda não trocados por passagens, são um direito e devem ser honradas. O diretor de Planejamento de Tráfego da companhia BRA, Waldomiro Silva Júnior, opinou que o compromisso das companhias aéreas deve ser com as passagens já emitidas. Vôos cancelados, passagens vendidasMorishita reclamou ontem formalmente à diretoria da Anac da atitude da Varig de continuar vendendo bilhetes aéreos para vôos que foram suspensos. Após uma reunião de quatro horas e meia com a agência, Morishita classificou essa atitude de "inadmissível e ofensivo aos consumidores". "Os consumidores têm que ser tratados com mais respeito", afirmou.Ele confirmou que a Anac recebeu a denúncia e tomou a providência de notificar hoje mesmo o juiz Luiz Roberto Ayoub, da 8ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro. Zuanazzi relatou que Ayoub determinou ao administrador judicial a imediata retirada do ar de um sistema automático de reservas da companhia, responsável por essas vendas.Segundo Morishita, a prioridade dos órgãos do sistema nacional de defesa do consumidor neste momento é reduzir transtornos aos passageiros da Varig por causa dos cancelamentos de vôos. Ele comentou que a diretora da Anac, Denise Abreu, fez uma exposição do plano emergencial que está sendo implantado desde que a Varig comunicou a suspensão de rotas para o exterior por ter que manter em terra 18 aviões por 72 horas.Os Procons estaduais têm recebido muitas dúvidas dos usuários, contou Morishita, e para melhor orientá-los o DPDC e a Anac acertaram a elaboração de uma espécie de "cartilha" para que os Procons unifiquem as respostas. "É importante que o consumidor tenha o máximo de informações possível sobre seus direitos", afirmou Morishita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.