ANÁLISE: Brasil deve fechar 2015 com menos 1,5 milhão de empregos

Contratações temporárias devem deixar os dados do Caged menos negativos a partir de setembro, segundo o Instituto Brasileiro de Economia da FGV

Maria Regina Silva, O Estado de S. Paulo

25 Setembro 2015 | 16h54

SÃO PAULO - Apesar do leve alívio no saldo do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) em agosto ante julho, o cenário ainda é de deterioração do mercado de trabalho, que deve fechar no campo negativo em cerca de 1,5 milhão neste e no próximo ano, devendo voltar a esboçar alguma recuperação apenas em 2017. A avaliação foi feita pelo professor e pesquisador Rodrigo Leandro de Moura, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Em agosto, a economia fechou 86.543 postos de trabalho com carteira assinada, após o corte de 157,9 mil vagas em julho. O número negativo veio menos intenso que o esperado pelo Ibre/FGV, de destruição de cerca de 100 mil empregos formais. "Teve algum alívio, mas para a época do ano é totalmente atípico ocorrer demissão", afirmou.

Dentro do Caged, o setor de serviços gerou quase 5 mil vagas formais em agosto, após a destruição de 58.010 postos. Para Moura, o resultado sugere alguma "estabilidade" e pode sinalizar que o setor tenha começado a contratar para o fim de ano. "Pode ter alguma contratação, mas, no agregado, segue negativo. A economia está fraca", disse.

A tendência daqui para frente, disse o economista do Ibre/FGV, é que o saldo do Caged fique menos negativo, na faixa de 78 mil ante cerca de 86 mil em agosto, diante da expectativa das contratações temporárias de fim de ano. No entanto, Moura acredita que a recessão econômica deve inibir o número de contratados e o volume ser inferior a outros anos. "Setembro pode começar a ter um pouco mais de contração. Não espero nada muito considerável, nada muito forte nos próximos meses. No agregado, o Caged ainda deve ficar no campo negativo", avaliou.

Um resultado do Caged no campo positivo somente em agosto de 2016, quando o pesquisador disse estimar a geração entre 8 mil e 15 mil empregos formais, de 12 mil em outubro e de 32 mil em novembro do ano que vem. "Essa leve melhora não sugere melhora, recuperação", ponderou.

Na visão do professor e pesquisador do Ibre/FGV, o mercado de trabalho só deve começar a esboçar retomada apenas em 2017. "Melhorando só lá para meados de 2017, com expectativa de geração de emprego", disse. 

Mais conteúdo sobre:
economia desemprego Caged

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.