Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Análise: A missão do BC de zelar pela estabilidade de preços será reforçada na nova lei

Embora importantes, demais objetivos ficam em segundo plano, para que não se ponha em risco a estabilidade tão apreciada pela população

Arminio Fraga*, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2021 | 19h22

Bancos centrais não possuem o poder de afetar de maneira permanente o nível de atividade ou seu crescimento, que dependem de investimento, educação, produtividade, etc. Bancos centrais têm sim o poder de criar o caos da inflação, como bem sabemos.

Decorre naturalmente daí atribuir ao banco central a missão de zelar pela estabilidade de preços, hoje entendida nos principais países com sendo algo em torno de 2% ao ano, e que caminha aqui para 3%. Assim reza o modelo de meta para a inflação consagrado internacionalmente.

Em boa hora essa missão será reforçada na nova lei, que deixa claro que o principal objetivo do BC deve ser a estabilidade de preços.

A lei sabiamente deixa claro também que os demais objetivos, embora importantes, são secundários, para que não se ponha em risco a estabilidade tão apreciada pela população tentando o impossível.

Por fim, para que o BC possa perseguir seus objetivos sem as tentações dos ciclos políticos, a nova lei dá à diretoria do BC mandatos fixos e intercalados com o mandato do Executivo federal.

Parabéns ao Congresso!

*EX-DIRETOR DO BANCO CENTRAL E FUNDADOR DA GÁVEA INVESTIMENTOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.