Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Análise: Desemprego fica em 13,5% em 2020, mas resultado poderia ter sido pior

O movimento vigoroso de recriação de postos no 4º trimestre fica escondido quando se considera apenas a média anual da desocupação

Hélio Zylberstajn*, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2021 | 04h00

As manchetes dos jornais de hoje enfatizam a taxa média de 13,5% de desocupação em 2020, a maior desde 2012. Esse número é péssimo, claro, mas não conta toda a história. A desocupação média anual esconde os três períodos distintos do ano e induz o público menos informado a conclusões exageradas.

No primeiro período, janeiro e fevereiro, a o ocupação formal estava crescendo bastante, induzindo até alguma redução na informalidade. O ano começava bem. A partir de março, porém, a pandemia provocou um estrago enorme, destruindo milhões de ocupações. Atingiu severamente, no primeiro momento, os trabalhadores informais, que ficaram repentinamente sem clientes e foram para casa, obviamente sem aviso prévio, sem FGTS, sem seguro-desemprego. Em seguida, os formais também tiveram suas perdas, que não foram pequenas. O estrago só não maior porque o governo acudiu com as duas políticas conhecidas: as medidas para a manutenção de empregos (que salvaram algo como 11 a 12 milhões de ocupações formais) e o benefício emergencial, que transferiu renda para os 40% dos domicílios brasileiros de menor renda. A onda destrutiva durou até agosto, quando ocorreu nova reversão, que devolveu o sinal positivo à série. Veio uma recuperação rápida e vigorosa, que surpreendeu a todos e perdurou até o final do ano.

 

O sobe-e-desce de 2020 pode ser resumido com os seguintes números: de dezembro/2019 a setembro/2020, tínhamos perdido 8,4 milhões de ocupações, mas, no quarto trimestre, criamos 3,7 milhões. Ou seja, em um trimestre, recuperamos 44% das perdas. O movimento vigoroso de recriação de postos de trabalho fica escondido quando se considera apenas a média anual da desocupação. Afinal, fechamos o ano de 2020 criando mais de 1,2 milhão de postos de trabalho por mês.

 

Não é tudo o que precisamos. Mas, também, reconheçamos, não é pouco. O ano foi ruim, sim, mas poderia ter sido pior.

*PROFESSOR SÊNIOR DA FEA/USP E COORDENADOR DO PROJETO SALARIÔMETRO DA FIPE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.