Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Análise: Greve é tentativa política da oposição de voltar para o jogo

A agenda das reformas trabalhista e previdenciária deu à oposição um discurso para tentar recuperar apoio dos eleitores

Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2017 | 13h27

Derrotada expressivamente nas últimas eleições municipais e com alguns de seus maiores expoentes envolvidos nas investigações da Operação Lava Jato, a oposição utiliza a mobilização da chamada greve geral para tentar reocupar espaço na disputa política nacional. Na prática, a agenda das reformas trabalhista e previdenciária deu à oposição um discurso para tentar recuperar apoio dos eleitores, pregando que trabalhadores e aposentados perderão seus direitos com as propostas bancadas pelo governo de Michel Temer.

Se esse discurso é discutível no seu conteúdo,  dá à oposição e, em especial, ao PT, algum tipo de fôlego para tentar sair do canto do ringue político para o qual foi arremessada nas eleições do ano passado. O problema é que a paralisação dos meios de transportes e a proximidade de um feriadão não permitem saber o quanto de adesão popular real existe a esse discurso antireformista. E, mesmo que haja, não dá para calcular se as pessoas estão dispostas a se realinhar às propostas da oposição por causa disso. As eleições passadas, aliás, indicam que não. Misturada com os escândalos de corrupção, a eventual insatisfação com as propostas parece mais propensa a aumentar o combustível dos chamados não políticos.

Também é impossível ignorar que as centrais sindicais se mobilizaram fortemente no dia de hoje para tentar reverter a aprovação do fim da obrigatoriedade da contribuição sindical, o que lhes cortará oxigênio financeiro. Se a proposta tivesse sido derrubada, sua adesão seria, sem dúvida, muito mais baixa.

Com Luiz Inácio Lula da Silva liderando as primeiras pesquisas de intenção de voto para 2018, mas com o peito cravado de flechas vindas da direção da Lava Jato, o discurso antireformista e em defesa dos trabalhadores cai do céu para a oposição, que não precisa falar apenas sobre denúncias de corrupção. O problema é que apenas trabalhar para explodir o governo Temer, sem trazer propostas alternativas consistentes para recuperar a economia, pode fazer o tiro político sair pela culatra, à medida em que atrasa ainda mais qualquer tentativa de recuperação do Pais e, claro, dos empregos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.