Análise: PIB de 0,6% traz esperança de que crescimento, enfim, tenha engrenado

Números do IBGE mostram um crescimento disseminado por quase todos os setores

Alexandre Calais*, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2019 | 09h55

A alta de 0,6% do PIB no terceiro trimestre, número acima do esperado pelo mercado (0,4%), reacende as esperanças de que o Brasil tenha, enfim, engrenado um ritmo de crescimento mais sólido que possa desembocar, mais à frente, na melhora da nossa maior mazela atual: o alto desemprego, que ainda afeta mais de 12 milhões de pessoas.

Os números divulgados nesta terça-feira, 3, pelo IBGE trazem dados alentadores. O crescimento da atividade econômica foi disseminado por praticamente todas as áreas. A indústria registrou um aumento de 0,8%, o melhor resultado desde o segundo trimestre de 2014, puxado pela indústria extrativa, embora a indústria de transformação tenha recuado mais uma vez (-1%). Os serviços cresceram 0,4%, o comércio subiu 1,1%, a agropecuária cresceu 1,3%. O consumo das famílias, turbinado pela liberação do FGTS e pela queda dos juros, teve uma alta de 0,8%. O que caiu foi  o consumo do governo: -1,4%. Mas, até aí, nenhuma surpresa. O governo simplesmente não tem dinheiro pra gastar.

Outros indicadores trazem a perspectiva de que a economia se prepara para um ritmo de expansão maior. A taxa de investimentos (no jargão do IBGE, a formação bruta de capital fixo, ou FBCF) cresceu 2%, atingindo o patamar de 16,3% do PIB no terceiro trimestre. Ainda um nível muito baixo, claro. É só lembrar que a taxa de investimento médio no mundo, em 2018, foi de 26,2% do PIB, e, nos países emergentes, de 32,8%. Mesmo assim, é um dado importante, ainda mais se levarmos em conta que essa foi a oitava alta consecutiva nesse indicador.

O IBGE ainda revisou alguns dados anteriores. O PIB do primeiro trimestre foi de -0,1% para 0%. O do segundo trimestre, de 0,4% para 0,5%. E o de 2018, de 1,1% para 1,3%. Somados, todos esses números devem provocar uma revisão nas perspectivas para o crescimento da economia este ano, hoje na casa do 1%, e provavelmente também nas projeções para 2020.

Não dá para dizer que o Brasil resolveu seus problemas econômicos, longe disso. Ainda há um longo caminho pela frente. Aprovamos uma importantíssima reforma da Previdência este ano, mas é preciso mais. As reformas tributária e administrativa precisam sair do papel, são fundamentais para se destravar a economia. O pacote de privatizações precisa deslanchar - é o meio mais eficiente e rápido de atrair investimentos e criar empregos. Mas ver o PIB voltar a crescer num ritmo mais forte é, sem dúvida, uma injeção de ânimo.

*Editor de Economia

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.