finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

PIB fraco mostra que o Brasil não pode esperar sempre pela próxima semana

Incertezas continuam pairando no ar, boa parte provocada pelo próprio governo

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2020 | 11h39

BRASÍLIA - O Brasil perde tempo. A alta de 1,1% do PIB do presidente Jair Bolsonaro frustra não só porque o novo governo ganhou as eleições prometendo mais crescimento, mas também porque a trajetória de recuperação mais rápida da atividade econômica do Brasil não está contratada.

Pelo contrário, as incertezas continuam pairando no ar – boa parte delas provocada pelo próprio governo. O PIB de 2019 – primeiro ano de Bolsonaro no Palácio do Planalto – é menor do que os de 2017 e 2018, entregues pelo ex-presidente Michel Temer

Não dá para culpar o mundo. Os dois primeiros meses de 2020 foram marcados por tensão, que vêm de fora, é claro, com o avanço do coronavírus e outros fatores geopolíticos, porém, governo e Congresso parecem não entender que o País precisa avançar. 

A desordem é grande. Ela chegou também ao Ministério da Economia e à agenda econômica, que pareciam blindados e contavam com confiança dos agentes econômicos. A percepção é de que voltamos há um ano, nos primeiros meses do governo Bolsonaro, quando presidente e lideranças do Congresso se engalfinhavam em debates e brigas em torno da articulação política. 

Déjà-vu completo. Presidente e seus ministros tentam novamente constranger os congressistas com estímulo às manifestações de rua. A diferença agora que não temos uma reforma da Previdência “salvadora” para liderar a agenda. A pauta de projetos econômicos é tão diversa e reúne tantas frentes de interesse que até agora ninguém sabe dizer o que é prioritário. Nem a queda mais acelerada dos juros pelo Banco Central deu jeito, por enquanto, no problema do baixo crescimento.

Nada mais representativo do cenário atual do que a queda de braço entre governo e Congresso sobre quem manda mais no dinheiro do Orçamento. Enquanto no plenário do Congresso, ontem, ninguém entendia direito o acordo para o Orçamento de 2020, o ministro da Economia, Paulo Guedes, se reunia com representante dos movimentos de manifestações marcadas para o domingo, 15. Se era para negociar, por que Guedes não foi ao Congresso?

Senadores e deputados reagiram e não votaram o acordo. “Pera aí, Guedes, cadê as suas reformas? E a reforma administrativa? E a reforma tributária?”, reclamavam. Desde o início do segundo semestre Bolsonaro, Guedes, Senado, Câmara prometem para a “próxima semana” a votação de projetos importantes. 

A reforma da Previdência foi aprovada em outubro e nada mais importante foi feito. Todos só pensam na reeleição. O Brasil precisa de conserto agora. Não dá para esperar pela próxima semana.

O PIB de Bolsonaro, mais tímido do que os dois últimos de Temer, mostrou que os problemas de baixo crescimento do Brasil são bem mais profundos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.