Analista do Deutsche se diz ?cética? sobre contas externas

A analista para América Latina do banco alemão Deutsche Bank, Maria Laura Lanzeni, afirmou manter o "ceticismo" sobre a recente melhora das contas externas brasileiras. Segundo ela, o atual ajuste no balanço de pagamentos do país é um fator positivo e importante, mas reflete mais a recente desvalorização do real do que uma melhora sustentável do quadro econômico do país. "Andam falando por aí em ´boom´ das exportações, mas eu não acho que isso esteja ocorrendo", disse Lanzeni à Agência Estado."Estamos vendo um câmbio extremamente favorável para as vendas externas, mas também uma contração dramática nas importações, reflexo da desaceleração econômica do País, o que não é saudável." Segundo a economista, o Brasil apresenta uma situação bem diferente dos países asiáticos, cujas contas externas são positivas ancoradas nas fortes exportações, mas que também apresentam um vigoroso volume de importações. "Está havendo um forte processo de substituição das importações no Brasil nos últimos meses, mas esse processo também tem um limite", afirmou.Segundo Maria Laura, a diferença entre importações e exportações brasileiras precisa ser estreitada para o benefício das próprias empresas do país. Para que isso ocorra, disse ela, é necessário que o País obtenha um maior ritmo de crescimento econômico. "Além disso, para que a competitividade externa brasileira não fique à mercê do comportamento do câmbio, é necessário que o próximo governo promova reformas que desonerem os exportadores e o setor produtivo do país", afirmou. "Uma das mais importantes é a reforma tributária, que já foi adiada tantas vezes no passado, e que precisa ser implementada."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.