Analistas acreditam no fim do ciclo da queda dos juros

Avaliação é de que os preços têm subido menos do que o esperado, o que desestimula novos cortes na taxa de juros

BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2012 | 03h07

Analistas chegam à reunião de abril do Comitê de Política Monetária (Copom) com a firme aposta de que o ciclo de corte do juro acabará amanhã. Iniciado em agosto do ano passado, o processo de redução da Selic deve ser concluído na quarta-feira com a diminuição da taxa em 0,75 ponto, para 9% ao ano. A previsão consta da pesquisa Focus realizada com economistas e divulgada ontem pelo Banco Central.

No último levantamento antes da decisão sobre o rumo do juro, analistas mantiveram pela quarta semana consecutiva a expectativa de que a redução de abril deverá ser idêntica à anunciada em março, quando a Selic caiu para os atuais 9,75%.

A pesquisa mostrou, portanto, que foi enterrada a expectativa que ganhou adeptos nos últimos dias de que o ciclo de corte poderia terminar em maio. Essa aposta nasceu após a constatação de que os preços têm subido menos que o previsto.

A possibilidade de cortes mais fortes no juro perdeu força há alguns dias após entrevista do presidente do BC, Alexandre Tombini, que afirmou que a inflação "vem caminhando conforme o esperado" e que, por isso, não há necessidade de se alterar a estratégia de política monetária.

"A sinalização dos últimos comunicados do Banco Central é bastante explícita ao afirmar que as taxas de juros provavelmente serão reduzidas para um patamar pouco superior ao mínimo histórico", diz o departamento de estudos e pesquisas econômicas do Bradesco, que também prevê redução de 0,75 ponto na reunião de amanhã.

Mas o mercado acredita que a estratégia do BC - que deve cortar o juro em 3,5 pontos no atual ciclo iniciado no ano passado - deve ter implicações negativas. Analistas preveem que a inflação oficial, medida pelo IPCA, deve ter alta de 5,08% em 2012. No ano seguinte, com mais crescimento da economia e juros menores, os preços devem subir com mais força: 5,50%.

Para evitar o descontrole dos índices de inflação, economistas acreditam que o BC deverá a voltar a subir o juro para segurar a demanda e, por consequência, os preços. Na pesquisa Focus, prevalece a expectativa de que a Selic voltará a subir em abril de 2013, quando irá para 9,50%. Em seguida, subirá para 10%, patamar que deve ser mantido até o fim do ano. / F. N. e EDUARDO RODRIGUES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.