finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Analistas avaliam resultado do leilão do bloco de Libra

Para especialistas, resultado da partilha da primeira reserva de pré-sal não foi um fracasso, mas não houve disputa entre as companhias

Economia & Negócios,

22 de outubro de 2013 | 09h24

SÃO PAULO - O leilão do primeiro bloco do pré-sal, a reserva de Libra, realizado nesta segunda-feira, 21, levantou o debate sobre o modelo de partilha. O consórcio formado por Shell (20%), Total (20%), Petrobrás (10%) e pelas chinesas CNPC (10%) e CNOOC (10%) venceu o leilão. No total, a Petrobrás ficará com 40%, já que antes da partilha já tinha garantida uma fatia de 30%. A proposta vencedora preve o pagamento de 41,65% do lucro em óleo para a União.

"Concluído o leilão, de todo modo, não se pode dizer que tenha sido um sucesso, mas também não é possível concluir que fracassou totalmente. Um único consórcio apresentou proposta e esta, naturalmente, ficou no lance mínimo, sem nenhum ágio, portanto", analisa o colunista José Paulo Kupfer. Além de escrever uma coluna, o especialista gravou um vídeo sobre o assunto.

Para o colunista Celso Ming, a maior surpresa foi a participação de duas gigantes europeias (Shell e Total). "As duas estatais chinesas, CNOOC e CNPC (com 10% cada uma) já eram esperadas", escreveu em sua coluna no Estadão.

Segundo o professor da Fundação Getúlio Bargas (FGV) e do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), Aloisio Araujo, o resultado poderia ter sido pior. "A Petrobrás correu o risco de terminar o leilão de Libra com parceiros indesejáveis e mesmo com perspectiva de prejuízo, caso o vencedor fosse algum aventureiro que fizesse um lance demasiado ousado", escreveu.

"Depois de meses de campanha publicitária, excitação, protestos e ações judiciais, o Brasil finalmente leiloou sua maior descoberta de petróleo – o campo de Libra. ‘Leilão’, no entanto, talvez seja termo enganador", escreveu o Financial Times em um artigo.

Para o ex-diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) David Zylbersztajn, o modelo da partilha inibe a disputa. "Se você tirar o operador único, com participação mínima, independentemente de ser partilha ou não, já aumenta a competição, o que é bom", afirmou.

No mercado, o modelo e as regras incomodaram. Para especialistas, a falta de concorrentes ocorreu pela falta de transparência e pela a exigência de a Petrobrás ser a única operadora.

O editorial do Estadão desta terça-feira, 22, traz uma análise sobre as perspectivas. "O novo desafio da Petrobrás, depois do leilão do Campo de Libra, é conseguir o dinheiro necessário para o desenvolvimento e a exploração da maior reserva de petróleo já entregue à atividade empresarial no Brasil", afirma o editorial. Ainda segundo o texto, o leilão pode ter sido um sucesso, mas especialistas não acreditam que os próximos irão seguir o mesmo modelo.

Tudo o que sabemos sobre:
Librapré-sal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.