Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Analistas do mercado financeiro apostam em alta da Selic para 3,5% nesta quarta

Em sua última reunião, em março, o Copom fez o primeiro aumento da taxa desde 2015, para 2,75% ao ano

Thaís Barcellos e Guilherme Bianchini, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2021 | 08h48

O aumento da taxa Selic para 3,50% ao ano no Comitê de Política Monetária (Copom) de maio é aposta unânime no mercado financeiro. Todos os 68 participantes da pesquisa do Projeções Broadcast acreditam que o Banco Central vai anunciar nesta quarta-feira, 5, uma alta de 0,75 ponto porcentual dos juros básicos, como apontado na última reunião, em março. Naquele mês, o colegiado elevou a Selic para 2,75% ao ano, no primeiro aumento da taxa desde julho de 2015.

Assim, as atenções se voltam para o comunicado do Copom. As principais dúvidas são sobre uma eventual sinalização do movimento de junho e sobre a permanência ou não da expressão "ajuste parcial" no documento, uma vez que parte do mercado avalia que a normalização monetária deveria ser total em meio às elevadas taxas de inflação. Os membros do BC, por sua vez, tem argumentado que a normalização parcial não é "um compromisso" e que a visão pode ser alterada de acordo com a evolução dos dados. 

A pesquisa do Projeções Broadcast ainda coletou estimativas para os juros básicos no fim de 2021 e 2022. No término deste ano, a maioria das estimativas é de que a Selic fique em 5,50%, mas o intervalo das projeções vai de 4,50% a 6,50%. O intervalo para o fim de 2022 vai de 4,50% a 8,00%.

Para maio, o Copom indicou no comunicado do último encontro que planejava promover um ajuste na taxa Selic da mesma magnitude do feito em março (0,75 ponto porcentual), a não ser que houvesse "uma mudança significativa nas projeções de inflação ou no balanço de riscos".

Com essa frase em mente, a conclusão do mercado é a de que o BC deve seguir o plano de voo, porque o cenário de inflação não sofreu grandes alterações e, após uma discussão conturbada do Orçamento de 2021, o arcabouço fiscal foi mantido, embora mais frágil.

Em relação à atividade econômica, os dados até fevereiro surpreenderam positivamente, mas a incerteza à frente é ainda muito elevada, tanto em relação a março, com o aumento de restrições, quanto para o restante do ano em meio ao ritmo lento de vacinação. O cenário internacional seguiu sem significativas atualizações, considerando que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) reforçou que a retirada de estímulos ainda está distante.

Para o estrategista-chefe do Banco Mizuho para América Latina, Luciano Rostagno, o cenário da inflação pouco se alterou em relação à última reunião do Copom, o que sustenta a projeção de Selic a 3,50% e a manutenção da sinalização de ajuste parcial. Ele também cita a acomodação das taxas dos juros longos americanos como fator que contribuiu para as perspectivas.

“Os dados estão mostrando arrefecimento das pressões inflacionárias, com alimentos mais comportados e choque de preço de combustíveis perdendo força. A atividade em março deve ter números com impacto significativo das medidas de distanciamento social, mas a diminuição recente de novos casos do coronavírus ajuda a diminuir o risco fiscal”, explica.

De acordo com Rostagno, a melhora nas condições financeiras do País e a inflação em um patamar condizente com a meta podem levar o BC a reduzir o ritmo de alta de juros para junho, de 0,75 para 0,50 ponto porcentual. “O BC talvez não se comprometa com os próximos passos, como fez da última vez. Mas o cenário base ainda é que volte a elevar a Selic em 0,75 ponto na reunião de junho.”

O estrategista do Mizuho reconhece o risco de estimativas acima da meta para o IPCA (a inflação oficial do País) de 2022, mas ainda acha cedo para uma alteração do ajuste parcial, com Selic estimada em 5,50% para o fim de 2021. “Não há necessidade de abandonar esse plano de voo. Vai depender de como o cenário evolui para tomar uma decisão, e essa decisão só deve vir no último trimestre”, afirma.

O economista Julio Cesar Barros, da MAG Investimentos, lembra que o modelo do Copom em março apontava para uma inflação de 3,50% em 2022, no centro da meta, considerando o câmbio a R$ 5,70% e Selic de 4,50% no fim deste ano, conforme apontava o relatório Focus à época. Agora, com o dólar próximo de R$ 5,40 e juro a 5,50% na Focus, a tendência é de redução ou ao menos manutenção da projeção para a inflação no ano que vem.

Barros também cita a resolução "aceitável" do Orçamento, a renovada sinalização de manutenção do estímulos nos EUA e as dúvidas sobre a retomada da atividade econômica em meio à pandemia de covid-19 e a lenta vacinação como fatores para o BC não só confirmar a alta de 0,75 ponto em março, mas também repetir no comunicado o "desejo de não caminhar para o juro neutro", apesar do avanço da expectativa de inflação de 2022, de 3,50% para 3,60% na Focus.

"O BC não deve tirar neste momento a indicação de normalização parcial. Se mudar o cenário, o BC tem comunicado claramente que vai fazer mais, se precisar", diz.

Em eventos no início de abril, o diretor de Política Econômica do BC, Fabio Kanczuk, afirmou que não há "compromisso" com o ajuste parcial, mas que essa é visão do Copom hoje, o que pode mudar com a evolução dos dados econômicos.

Para o economista-chefe da Garde Asset, Daniel Weeks, o BC deve deixar a sinalização de normalização parcial, mas explicar melhor que não está comprometido com esse movimento. Contudo, Weeks acredita que o comunicado já deve sinalizar outro aumento de 0,75 ponto em junho. Por isso, recentemente ele alterou a projeção de fim de ano de 6,00% para 6,25%.

"O BC tinha duas preocupações na última reunião: fiscal, um risco altista, e atividade, de baixa, por causa da segunda onda de covid-19. O que está ficando claro é que o risco da pandemia para a atividade diminuiu, com a restrições gerando uma queda menor do que se esperava. Nós, por exemplo, estamos revisando o PIB de volta para 4,0% (de 3,50%). Então segue o risco fiscal, que continua relativamente alto. Por isso, acho que faz sentido continuar com um ajuste rápido no início do ciclo, assim como fez em março."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.