coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Analistas do mercado se reúnem com representantes do BC

O mercado financeiro vai procurar identificar no discurso dos representantes do Banco Central (BC), durante a reunião trimestral com analistas na próxima segunda-feira, alguma pista a respeito da condução da política monetária e da compra de dólares. Segundo uma fonte, os economistas tentarão "espremer" das autoridades alguma indicação a respeito da condução da política monetária no curto prazo. "Com os dados de atividade fracos, dólar e petróleo em baixa e inflação sob controle, queremos saber se há chance da Selic continuar a ser reduzida em 0,50 ponto porcentual ou se, pelo menos, o movimento de quedas de 0,25 ponto será alongado", afirmou.De acordo com o economista, o mercado também gostaria de saber se o BC continuará a comprar dólares no mercado com o mesmo fôlego que vem mostrando ou se deixará a cotação cair um pouco mais. "Acho que não há dúvidas de que a tendência da moeda é de baixa", disse.IPCAOutro analista, que participará do encontro, salientou que espera colher alguma informação que o ajude a consolidar sua estimativa de que a inflação ficará abaixo de 4,5% no próximo ano. "Espero obter algum sinal, já que é esta a minha percepção (a de que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA - ficará abaixo da meta de 4,5% também em 2007)", afirmou.O fato é que os analistas do mercado financeiro devem mais falar do que ouvir durante a reunião trimestral com representantes do BC. Geralmente, é este mesmo o perfil dos encontros, que são realizados para que a autoridade monetária tome conhecimento a respeito do que pensa o mercado sobre a economia.Desta vez, no entanto, os representantes do BC devem ser ainda "mais parcimoniosos", usando as palavras da própria autoridade, em seus depoimentos na segunda-feira pelo fato da semana ser anterior à da decisão do Copom, no dia 30. Tanto que um terceiro analista consultado tem poucas esperanças de sair do prédio do BC na Avenida Paulista com novas informações.Nada de novo"Não devemos ouvir nada de novo por se tratar de uma reunião muito próxima do Copom", disse a fonte, que comparecerá na edição das 16 horas do encontro. "Acredito que a troca de informações será mais entre nós", acrescentou, referindo-se aos colegas que trabalham em instituições financeiras e que participarão do evento. O encontro será realizado em São Paulo, na próxima segunda-feira, e contará com pelo menos três sessões: às 11h30, às 14,30 e às 16 horas.

Agencia Estado,

18 de agosto de 2006 | 14h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.