André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Analistas do mercado sobem previsão de inflação para 4,71% em 2021 e veem Selic em 5% no fim do ano

A projeção dos economistas para o IPCA desde ano está bem acima do centro da meta oficial, de 3,75%, como mostra o relatório Focus, divulgado pelo Banco Central

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2021 | 10h41

BRASÍLIA - Mesmo após o Comitê de Política Monetária (Copom) elevar em 0,75 ponto porcentual a Selic na semana passada, para 2,75% ao ano, os economistas do mercado financeiro elevaram pela décima primeira semana consecutiva a previsão para o IPCA - o índice oficial de preços - em 2021.

O Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda-feira, 22, pelo Banco Central, mostra que a projeção para o IPCA este ano foi de alta de 4,60% para 4,71%. Há um mês, estava em 3,82%. A estimativa para o índice em 2022 oscilou de 3,50% para 3,51%. Quatro semanas atrás, estava em 3,49%. 

A projeção dos economistas para a inflação já está acima do centro da meta de 2021, de 3,75%, sendo que a margem de tolerância é de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%). A meta de 2022 é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (de 2,00% a 5,00%).

O mercado financeiro também passou a prever uma alta maior dos juros básicos da economia, fixados pelo BC para controlar a inflação, neste ano e em 2022. Os analistas do mercado subiram a expectativa para taxa Selic, no fim deste ano, de 4,5% para 5% ao ano.

Na semana passada, na primeira elevação em quase seis anos, a taxa básica da economia foi aumentada pelo BC para 2,75% ao ano.

Para o fechamento de 2022, os economistas do mercado financeiro elevaram a expectativa de uma alta da Selic de 5,5% para 6% ao ano.

Eles ainda alteraram levemente suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2021. Conforme o Relatório de Mercado Focus, a expectativa para a economia este ano oscilou de alta de 3,23% para 3,22%. Há quatro semanas, a estimativa era de 3,29%.

Para 2022, o mercado financeiro manteve a previsão para o PIB de alta de 2,39%. Quatro semanas atrás, estava em 2,50%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.