Analistas elevam previsão para PIB em 2004

O otimismo com o ritmo de recuperação da economia brasileira contribuiu, mais uma vez, para a elevação da estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2004. De acordo com a pesquisa semanal do Banco Central (BC), onde são ouvidos empresários e executivos do setor financeiro, a aposta média é a de que a economia do País crescerá este ano 3,79%, acima dos 3,70% projetados no levantamento anterior. Para 2005, não houve mudanças: o PIB deverá apresentar uma taxa de expansão de 3,50%.Em termos de endividamento público, os analistas e empresários consultados acreditam que a dívida líquida do setor público fechará o ano de 2004 num valor correspondente a 56,95% do PIB. Até semana passada essa projeção era de 57%. Para 2005, a aposta é de que o endividamento líquido estará num patamar equivalente a 55% do conjunto das riquezas produzidas no País, pouco abaixo, portanto, dos 55,05% estimados no levantamento anterior.Contas externasO quadro desenhado pelo mercado financeiro para o comportamento das contas externas (troca de dólares entre o País e o exterior) brasileiras continua favorável. De acordo com a pesquisa do BC, analistas de instituições financeiras e empresários apostam que o País fechará o ano de 2004 com um superávit (entrada de dólares descontada a saída da moeda norte-americana) de US$ 6,4 bilhões em suas transações correntes com o exterior. Este valor está US$ 300 milhões acima da estimativa feita na semana passada. Para 2005, a projeção também foi elevada. A aposta é de que a conta corrente brasileira com o exterior fechará o próximo ano com um saldo positivo de US$ 2,81 bilhões, acima portanto dos US$ 2,7 bilhões estimados no levantamento anterior.Pelo lado comercial, os analistas ouvidos pelo BC elevaram em US$ 600 milhões a projeção média para o superávit da balança comercial em 2004. Agora, o saldo esperado é de US$ 29,7 bilhões. Para 2005 houve uma pequena correção para baixo. Ao invés de esperar um superávit de US$ 25,35 bilhões, a aposta agora é de um saldo positivo de US$ 25,10 bilhões.No caso dos investimentos estrangeiros diretos (IED), o volume de ingresso esperado para 2004 foi mantido em US$ 10 bilhões, mas a projeção para 2005 foi alterada. Os cálculos feitos pelos bancos e empresas ouvidas pelo BC indicam que o País receberá em 2005 um total de US$ 13 bilhões desse tipo de investimento, e não US$ 12,95 bilhões, como projetado até semana passada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.