Analistas europeus recebem bem propostas de reformas

Analistas do mercado internacional reagiram de uma maneira positiva ao anúncio dos detalhes das propostas das reformas previdenciárias e tributária. Eles acreditam que o encaminhamento pelo governo Lula das propostas ao Congresso Nacional até o final do mês deverá reforçar o ambiente positivo em relação ao País. O economista para o Brasil do banco Dresdner Kleinwort Wasserstein, Nuno Camara, observou que alguns pontos da proposta para a Previdência apresentada ontem precisam ainda ser esclarecidos. "Mas, se de maneira geral a proposta for mantida, ela supera as expectativas do mercado", disse Câmara à Agência Estado. O analista criticou aqueles que consideram que o alcance das reformas planejadas pelo governo Lula será muito limitado. "Não adianta, por exemplo, apresentar uma proposta para a Previdência ambiciosa demais, que em tese colocaria as contas em ordem mais rapidamente, mas que não seria aprovada pelo Congresso", disse. "É muito mais sensato apresentar um projeto politicamente viável, mesmo que ele tenha um impacto positivo mais de longo prazo." O chefe de pesquisa do fundo de investimentos britânico Ashmore Investment Management, Jerome Booth, ressaltou que um fator importante aos olhos do investidor é "a capacidade que o presidente Lula tem demonstrado em buscar consenso em torno" das propostas do governo. "Não é de hoje que se fala em reforma na Previdência no Brasil, mas Lula está dando sinais concretos de que essa vez as coisas vão progredir", disse Booth. O estrategista-chefe para mercados emergentes do Deutsche Bank, David Sekiguchi, em nota para investidores, salientou que a descrição inicial da proposta do governo para a reforma na Previdência é "encorajadora pois parece lidar com os principais problemas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.