Analistas: investimento estrangeiro reflete impacto da crise

IED deve cair pela metade em 2009 na comparação com o ano anterior. BC acredita que contas vão se ajustar

Célia Froufe, da Agência Estado,

20 de fevereiro de 2009 | 13h45

A crise atingiu com força o resultado das transações correntes do Brasil com o exterior (balanço de pagamentos) e os investimentos estrangeiros diretos (IED) no mês de janeiro, confirmando a expectativa de que o cenário internacional interferirá negativamente no volume total de ingressos de recursos no Brasil para o setor produtivo. Veja também:As medidas do empregoDe olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  No caso do balanço de pagamentos, o saldo negativo de US$ 2,753 bilhões veio pior do que o esperado pelos analistas, que esperavam um déficit entre US$ 2,9 bilhões e US$ 3,8 bilhões. Já o Investimentos Estrangeiros Diretos (IED) somaram US$ 1,930 bilhão, valor que não foi suficiente para cobrir o saldo negativo do balanço de pagamentos. Para se ter uma ideia, em janeiro do ano passado, o saldo negativo do balanço de pagamentos era ainda maior, de US$ 4,028 bilhões. Contudo, o País recebeu um volume maior de IED, de US$ 4,826 bilhões, cobrindo o saldo negativo do balanço de pagamento de janeiro do ano passado. No acumulado dos 12 meses encerrados em janeiro, o cenário é melhor. As transações correntes acumulam déficit de US$ 27,024 bilhões, o equivalente a 1,75% do PIB. No período, o ingresso de IED é muito superior, de US$ 42,164 bilhões, o equivalente a 2,73% do PIB. IED de 2009 deve cair pela metade Contudo, as perspectivas não são boas para os analistas. Na Tendências Consultoria Integrada, a projeção para o IED este ano é de US$ 25 bilhões, ante US$ 45,060 bilhões verificados em 2008. O economista André Sacconato teme pela possibilidade de alguns investimentos já previstos para este ano no Brasil serem cancelados. "Se isso realmente se confirmar, o impacto da crise será maior do que o esperado inicialmente, pois os investimentos previstos vinham se confirmando até dezembro do ano passado", considerou.  Outro ponto que deve ser analisado, de acordo com Sacconato, é o fato de que, tradicionalmente, os investimentos no setor produtivo tendem a ser interrompidos apenas em situações de extrema incerteza, já que se trata de planejamento de longo prazo. Caso isso ocorra nos próximos meses, será mais um sinal de alerta. O economista da Itaú Securities Mauricio Oreng também projeta um saldo de US$ 25 bilhões de IED para o acumulado deste ano. O economista-chefe do Banco WestLB do Brasil, Roberto Padovani, é ainda mais pessimista e projeta US$ 20 bilhões para o total de investimentos este ano. "É claro que isso reflete as incertezas do cenário internacional e do crédito, mas o resultado de janeiro está em linha com as projeções do mercado para este ano", ponderou.  Ressalvas do BC Nem tudo é ruim para o setor externo, porém, na avaliação do economista da Tendências. Ele acredita que o déficit da conta corrente de fevereiro virá bem menor do que o de janeiro. "Se, no mês passado, tivemos déficit na balança comercial e o resultado negativo ficou menor do que o previsto, acredito que em fevereiro o dado será ainda melhor", previu. Segundo ele, isto tende a ocorrer por causa da alta do dólar em relação ao real. O saldo da conta corrente é composto pela balança comercial e pela balança de serviços. Em janeiro, a balança apresentou contribuição negativa de US$ 524 milhões. A conta de serviços e rendas também teve déficit de US$ 2,542 bilhões. Já as transferências unilaterais tiveram resultado positivo (ingresso de recursos) de US$ 312 milhões. O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, afirmou que o déficit em conta corrente em fevereiro deve fechar em US$ 1 bilhão. Ele destacou que as contas externas brasileiras hoje ajustam-se muito mais rapidamente às mudanças na conjuntura internacional e de uma maneira "menos dolorida".  Ele informou ainda que o ingresso de investimento estrangeiro direto somou US$ 1,5 bilhão em fevereiro até hoje. Para o mês fechado, ele espera ingresso de US$ 1,8 bilhão. Caso as previsões do BC se confirmem, o IED voltará a cobrir o saldo negativo da conta corrente em fevereiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.