Nilton Fukuda|Estadão
Nilton Fukuda|Estadão

Analistas já revisam para baixo projeções para emprego em 2018

A FGV, por exemplo, já reduziu de 700 mil para 500 mil o número de vagas formais previstas para serem criadas neste ano; expectativa caiu após a divulgação dos indicadores econômicos de janeiro e fevereiro, que ficaram abaixo do esperado

Daniela Amorim e Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

28 Abril 2018 | 04h00

RIO- O ritmo de recuperação da economia mais lento que o esperado já começa a se refletir no emprego. No primeiro trimestre, o total de trabalhadores com carteira assinada no setor privado caiu ao menor patamar já registrado na pesquisa Pnad Contínua, do IBGE, que teve início em 2012. E analistas começam a rever, para baixo, as projeções da criação de vagas formais este ano.

+ Taxa de desemprego sobe para 13,1% no 1º trimestre do ano

O Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), por exemplo, reduziu de 700 mil para 500 mil sua previsão de criação de empregos formais este ano. “O PIB afeta a estimativa de geração de vagas, com certeza. A grosso modo, está havendo uma frustração de crescimento (da economia)”, disse o economista Fernando de Holanda Barbosa Filho, do Ibre/FGV.

+ Emprego nos setores de atacado e serviços reage em São Paulo

Os desempenhos decepcionantes nos principais setores da economia – indústria, comércio e serviços – também levaram a Confederação Nacional do Comércio (CNC) a reduzir sua projeção de criação de empregos formais de 1,420 milhão para 1,380 milhão. Mesmo assim, essas estimativas ainda são consideradas otimistas: as projeções de analistas consultados pelo Estadão/Broadcast apontam para a abertura média de 900 mil vagas formais. “O nível de atividade engasgou um pouco nesse primeiro trimestre. A expectativa era que engatasse a segunda marcha, mas não engatou ainda não”, disse Fabio Bentes, chefe da Divisão Econômica da CNC.

+ Desemprego cresce na Grande São Paulo e fecha março em 16,9%

Embora as projeções para 2018 ainda sejam de geração de vagas, a verdade é que, no período de um ano, segundo os dados do IBGE, o País perdeu 493 mil vagas formais. E o total de vagas com carteira assinada caiu a 32,913 milhões em março, o montante mais baixo da série histórica iniciada em 2012.

+ Governo decide editar decreto para regulamentar pontos da reforma trabalhista

Para os analistas, uma recuperação mais forte do emprego está condicionada, além do desempenho do PIB, à melhora dos níveis de confiança do empresariado, investidores e consumidores, ao reaquecimento de setores importantes e intensivos em mão de obra e à ampla adoção de novas possibilidades de contratação oriundas da reforma trabalhista, entre outros fatores. Contudo, os especialistas apontam que tais variáveis estão hoje cercadas por incertezas, tanto econômicas quanto políticas.

Mas, apesar da frustração no curto prazo, para Bentes, da CNC, a percepção de melhora no mercado de trabalho no longo prazo ainda está garantida.

O diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, José Ronaldo de Castro Souza Junior, reconhece que a recuperação do mercado de trabalho pode ficar abaixo do esperado se o crescimento do PIB for menor que os 3% projetados pela instituição. “Mas não é o que a gente espera, porque até a atividade de começou a gerar vagas em março.” / COLABORARAM CAIO RINALDI E FRANCISCO CARLOS DE ASSIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.