Analistas não acreditam em crise nos emergentes, diz Meirelles

Durante seminário sobre América Latina do Banco Mundial, realizado nesta quarta-feira na capital espanhola, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse que prevaleceu a avaliação de que os mercados emergentes não estão prestes a enfrentar uma crise de liquidez (volume de negócios), como apostam alguns analistas."A liquidez internacional deve continuar confortável, independente da política monetária norte-americana, e beneficiando os emergentes", afirmou. "Essa liquidez está sendo alimentada pelas volumosas reservas dos países asiáticos e também, numa tendência mais recente, pelo acúmulo de poupança entre os países exportadores de petróleo."O presidente do BC, no entanto, disse que as incertezas com a política monetária nos Estados Unidos deverão gerar alguma volatilidade (oscilação) nos mercados. Brasil "impressiona"Meirelles disse que os indicadores mais recentes da dívida brasileira "impressionaram" positivamente os participantes do seminário do Banco Mundial - cerca de 100 autoridades e representantes de bancos privados. Segundo ele, predominou a percepção de que o Brasil está muito mais preparado para enfrentar eventuais ajustes externos. "A melhora do Brasil foi muito importante", disse. "Mas isso não significa que o país pode se dar ao luxo de parar de fazer as coisas certas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.