Analistas não esperam queda do custo do crédito com novo sistema

O lançamento do novo Sistema de Informações de Crédito, ou Nova Central de Crédito, pelo Banco Central (BC) não será um desafio para as instituições financeiras do País e pode não representar qualquer alteração no custo dos financiamentos bancários. Pelo menos no discurso, parte do mercado financeiro avalia que o novo sistema poderá resultar no barateamento dos financiamentos bancários para bons pagadores, mas até esses executivos não aguardam nada de muito perceptível.Segundo a a diretora de Gestão de Riscos do Unibanco, Valéria Salomão Garcia, o acesso às informações cadastrais do cliente de outras instituições só será possível quando o próprio cliente quiser, o que limita a competição das instituições financeiras pelos bons pagadores. O novo sistema de informação também não abrange dados de dívidas com valor inferior a R$ 5 mil.O economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Roberto Troster, também é cético em relação ao novo sistema e salienta que o spread bancário ? diferença entre juros de captação e taxas cobradas nos empréstimos ? resulta da tributação e da legislação brasileira. "Uma captação a custo zero repassada a um cliente com risco zero de inadimplência e com taxa básica de juros igual a zero resultaria em um custo da operação de crédito a 29,4% ao ano", diz Troster para exemplificar a elevada carga tributária no País.Segundo o economista, o argumento de que os bancos conhecerão, entre os seus clientes, os bons pagadores com a nova central de risco é exagerado. "Hoje as informações positivas já estão no sistema e há uma diferença entre os que não podem e os que não querem pagar. Aos que não podem, os bancos já têm sistemas de detecção, afinal concederam financiamentos mesmo durante turbulências financeiras e períodos de hiperinflação", opina. "Dos que não querem pagar, o grande problema é o monte de recursos protelatórios. Se um assassinato leva quatro anos para ser julgado, imagine uma ação questionando um contrato", compara.Veja no link abaixo o que muda com o novo Sistema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.