Analistas prevêem barril de petróleo a US$ 70 em 2008

Especialistas ouvidos pela AE concordam que há tendência de acomodação nos preços da commodity

Kelly Lima, da Agência Estado,

28 de dezembro de 2007 | 17h05

Num dia de alta do petróleo no mercado internacional, devido à tensa situação no Paquistão, analistas do setor prevêem uma retração dos preços para 2008 e apostam numa média anual do valor do barril entre US$ 70 e US$ 75 no ano que vem. "Há uma tendência clara de acomodação dos preços", comentou o analista Nelson Rodrigues de Matos, do Banco do Brasil, em coro com outros quatro especialistas do setor consultados pela Agência Estado. Para Matos, já estão se confirmando os indícios de uma retração na economia americana no próximo ano, e isso deverá segurar os preços do petróleo, apesar dos "soluços" que o mercado apresenta a cada situação tensa em uma região geopoliticamente importante para este mercado.  "Como a oferta e a demanda estão apertadíssimas, é bastante natural que o preço suba quando um gasoduto explode, quando há ameaças de furacões no Golfo do México, ou aumente a tensão em países que detém a tecnologia nuclear, como foi o caso da Coréia do Norte e agora do Paquistão", comentou. Outro analista de instituição financeira de São Paulo lembra, entretanto, que esses "soluços" não são suficientes para manter os preços nas alturas. "É claro que US$ 90 é um valor alto para o barril, mas vimos que quando chegou a US$ 99 não teve forças para virar o patamar dos US$100 e caiu. Essa é a tendência: a acomodação", disse o analista. Já para o grupo de análise do Banif, a perspectiva é de uma redução nas especulações desse mercado por conta da desaceleração americana. "Certamente haverá um impacto no consumo", comentou um analista do banco, ressaltando que a "euforia exacerbada" do mercado com os preços elevados do barril do petróleo está chegando ao fim. Para o analista do BB, é preciso lembrar que o próprio departamento de energia norte-americano, que estava prevendo em julho o crescimento do consumo de combustíveis nos Estados Unidos em 2008 na casa dos 1,2%, já reviu esta perspectiva para queda de 0,9%. "Isso certamente deverá refletir nos preços", comentou. Para o diretor do Centro Brasileiro de Infra-Estrutura (CBIE), Adriano Pires, quatro motivos devem manter os preços do petróleo aquecidos, porém num patamar mais baixo, na casa dos US$ 70 em 2008.  O primeiro deles é o controle da oferta e demanda para atingir a um equilíbrio entre ambos. O segundo é a viabilização de novas fronteiras exploratórias. "Se o preço cair muito, várias áreas não se viabilizam comercialmente", disse.  O terceiro motivo, segundo ele, seria o incentivo às fontes alternativas de energia, e ainda por último, uma forma de estimular a eficiência do consumo. "A garantia dos preços num determinado patamar impedem abusos e crescimento forte na demanda", disse Pires.

Tudo o que sabemos sobre:
Petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.