Analistas recomendam investimento em ações

O cenário econômico do País está cada vez mais atraente para o investimento em ações. Com o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), anunciado na semana passada, de 3,84% no primeiro semestre do ano, a tendência de queda dos juros, a estabilização do câmbio e as condições políticas mais tranqüilas, a expectativa é que as ações das empresas apresentem rentabilidade expressiva. Mesmo com as boas perspectivas, o investimento em ações oferece risco, alerta o diretor de Administração de Recursos de Terceiros do Banco AGF Braseg, Kazuhiro Miyamoto. "O investidor que nunca aplicou em bolsa deve evitar colocar todo o seu patrimônio em ações". Vale lembrar que no mercado acionário não há nenhuma segurança em relação ao prazo necessário para se obter a rentabilidade desejada.Ações: rendimento melhor, risco maiorPara quem tem tolerância ao risco, o investimento em ações é considerado a melhor alternativa para conseguir rendimento significativo nesse momento, de acordo com Gilberto Pereira de Souza, da Sudameris Corretora.Ele afirma que, com a queda das taxas de juros, as aplicações em renda fixa não terão uma rentabilidade atrativa. O gerente de Finanças da Socopa Corretora, Gregório Mancebo, também diz que comprar ações de companhias bem administradas e com perspectivas de ganho para o longo prazo é um bom negócio. "Setores como o de siderurgia e papel, por exemplo, estão operando no limite da sua capacidade de produção e por isso começaram a fazer novos investimentos para atender a demanda." Segundo ele, o fato de as indústrias nacionais estarem se modernizando faz com que elas fiquem mais competitivas e comecem a atrair novos clientes. "Esse quadro reflete diretamente na economia do País favorecendo as aplicações em renda variável."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.