Anatel diz que telefonia ficou 41% mais barata

O custo médio real para se ter e usar um telefone fixo no Brasil ficou 41% mais barato nos últimos sete anos. Um balanço do setor no ano passado, divulgado ontem pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), mostra também que o número de telefones fixos instalados no País já ultrapassa os 47,8 milhões - o que representaria a quinta maior planta do mundo. A densidade de telefones, de 27,8 por cada 100 habitantes, é o dobro dos 13,6 existentes em 1998.Para o consumidor, usar o telefone ficou mais acessível. Em dezembro de 1994, a cesta de serviços para um usuário residencial, incluindo habilitação, assinatura mensal, pulsos e uma quantidade de minutos de interurbanos e ligações internacionais, custava R$ 59,84 por mês. No final de 2001, esse mesmo pacote estava saindo por R$ 35,28 - a preços de 1994, já descontado a inflação do período. A preços correntes, porém, o valor é de R$ 70,39.O componente da cesta que mais barateou foi a habilitação, ou seja, o custo para comprar o telefone, que chegou a custar R$ 4.759 em 1990, era de R$ 1.118 em 1994 e caiu para apenas R$ 38 em 2001. As tarifas das ligações de longa distância nacional e internacional também apresentam queda. Comparando com os valores cobrados em 1994, o minuto da chamada nacional está saindo pela metade em termos reais: R$ 0,43.As ligações internacionais seguem a mesma tendência. O minuto da chamada para os Estados Unidos, por exemplo, caiu de R$ 1,82 em 1998 para R$ 0,90 em 2001. A ligação para outros países do Mercosul baixou no mesmo período de R$ 2,35 para R$ 1,25.De acordo com o presidente da Anatel, Renato Navarro Guerreiro, esses valores são os normais e não correspondem às promoções praticadas pelas operadoras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.